NOTÍCIAS
13/05/2016 15:39 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Fisiculturista mostra luta contra a anorexia para incentivar tratamento de transtornos alimentares

Reprodução/Instagram

Uma fisiculturista quer encorajar outras pessoas, compartilhando com o público o caminho que seguiu para se recuperar de um transtorno alimentar.

Aroosha Nekonam tem 25 anos, vive em Aberdeen, na Escócia, e está treinando para um concurso de biquíni. Em um vlog revelador e nas mídias sociais, ela falou de sua experiência como alguém que sobreviveu à anorexia.

Quando alguma coisa ruim lhe acontece, você tem três escolhas. Pode deixar isso definir você, pode deixar que a destrua OU pode deixar que a fortaleça. Sempre que estou deprimida comigo mesma ou tive um dia negativo, me lembro de como eu era no passado. Repita depois de mim: “Eu sou mais forte que os pensamentos negativos em minha cabeça, sou linda e vou conquistar este dia, assim como todos os outros dias.” 💪🏻❤️

#transformation #transformationtuesday #motivation #skinnytostrong#ibeatanorexia #smallbutstrong #girlswholift #girlswhosquat #girlswithmuscle#bikinicompprep #bikinicompetitor #bikiniathlete #weightlifter #bodybuilding#bodybuilder #youtube #youtuber #fitfam #fitspo #fitfamuk #instafit #fitnesschick#fitnessjourney #fitnessmotivation #MYPJOURNEY

Compartilhando sua história, ela quer inspirar as pessoas que podem estar passando por transtornos alimentares a procurar ajuda e sentir-se mais à vontade em falar de suas dificuldades.

“Resolvi escancarar meus problemas e falar às pessoas: ‘Eu passei por tudo isso. Se eu consegui superar, qualquer pessoa consegue’”, Nekonam disse à ABC News, explicando a decisão de compartilhar sua história. “Se eu puder comover uma pessoa que seja com minha história e lhe dar aquele empurrãozinho a mais que ela precisa para imprimir uma virada à sua vida – é exatamente isso que quero.”

A jovem de 25 anos, que frequentemente posta fotos ligadas a fitness nas mídias sociais, resolveu encarar o desafio e começou a falar de sua trajetória no vlog, que ela compartilhou com o público em fevereiro, na Semana Nacional de Consciência dos Transtornos Alimentares.

No vídeo, ela revelou que sempre foi perfeccionista e que se sentia recompensada quando via o número na balança diminuir. Para ver isso acontecer, ela se privava de comida e participava frequentemente de corridas de dez quilômetros.

Confie que a vida a levará exatamente para onde você precisa ir – se bem que eu não entendi isso na época em que estava perdendo peso muito rápido. Eu vivia me dizendo que minhas roupas estavam folgadas porque tinham esticado na máquina de lavar roupa. Eu ainda saía com amigos, conversava, dançava, “sorria”.

Mas se você me olhasse nos olhos, enxergaria a dor ali. A tristeza, a sensação de estar presa numa armadilha, escondendo um segredo tão grande. Eu queria que todo o mundo pensasse que eu estava bem, mas na realidade estava carregando um peso enorme naqueles ombrinhos. Às vezes eu queria que alguém tivesse feito uma intervenção ali mesmo, naquela hora, para evitar que eu piorasse.

Mas, se isso tivesse acontecido, eu não seria essa pessoa aí da direita. Hoje sou forte e só olho para trás para ver o quanto avancei. E pretendo ir ainda mais longe. Venha comigo. 💪🏻

#transformation #transformationtuesday #strongnotskinny#progress #anorexiasurvivor #smallbutstrong #girlswholift #girlswhosquat#girlswithmuscle #survivor #ibeatanorexia #weightlifter #bikiniathlete #bikinicompetitor#weightlifter #internationalwomansday #fitspo #fitfam #fitfamuk #fitnessjourney#fitnesschick #fitnessmotivation #gymshark #gymsharkuk #gymsharkwomen

As coisas ficaram ainda mais perigosas depois de um rompimento doloroso com uma pessoa querida, quando ela estava na faculdade.

“Minha confiança chegou ao fundo do poço. Meu senso de meu próprio valor virou inexistente”, ela disse o vídeo. “Comecei a perder muito, muito peso.”

Ela mencionou que o transtorno alimentar estava afetando sua saúde. Seus cabelos começaram a cair, ela sentia frio o tempo todo. Chegaram a lhe dizer que ela devia andar de cadeira de rodas, porque caminhar sobrecarregava seu coração. Em dado momento, ela estava tão magra que não pôde embarcar no avião rumo a uma clínica na África do Sul onde tentaria se recuperar.

Com o apoio de sua família, ela começou a fazer terapia. Mais tarde, começou a praticar ioga, e, depois disso, a levantar pesos. As mulheres que ela via nas mídias sociais, especialmente o Instagram, que praticavam o esporte, tiveram um efeito tremendo sobre o modo como ela enxergava a vida.

“Quando vi essas mulheres e o potencial do que elas faziam... vi que elas eram fortes, mas ainda femininas”, disse Nekonam à ABC News. “Falei: ‘É isso o que eu quero ser. Essa é minha inspiração.’ Eu estava tão enfraquecida. Não conseguia fazer nada e estava farta disso.”

Nekonam já avançou muito; hoje ela usa o fisiculturismo para fortalecer sua autoconfiança, e não para se “castigar”. Ela se prepara para participar do concurso de biquíni da Federação de Fisiculturismo e Fitness do Reino Unido, em maio. Será a primeira vez que ela participa. E, o que é mais importante, está transmitindo algumas palavras de incentivo às pessoas que porventura se identifiquem com seu passado.

“Você é bela e merece se recuperar. Você merece viver. Isto daqui é apenas uma coisa pela qual você está passando”, ela disse no vídeo. “Isso não a enfraquece, não a torna diferente de qualquer outra pessoa. Faz parte da vida. A gente passa por momentos difíceis.”

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- Daiana Garbin: 'A minha vergonha não pode ser maior do que a minha coragem'

- Fãs de Angelina Jolie saem em defesa da atriz após boatos de que atriz está sofrendo de anorexia

- Balanças com slogan que incentivam usuário a 'sentir-se magro' causam enorme indignação no Reino Unido