NOTÍCIAS
20/04/2016 15:52 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Dilma decide ir aos EUA e deve denunciar 'golpe parlamentar' à ONU

Bloomberg via Getty Images
Dilma Rousseff, Brazil's president, speaks to members of the foreign press at the Presidential Palace in Brasilia, Brazil, on Tuesday, April 19, 2016. Rousseff said she would resist efforts to remove her from office, calling impeachment proceedings against her a coup that would not solve Brazil's political crisis. Photographer: Lula Marques/Bloomberg via Getty Images

Na mesma semana em que a Câmara dos Deputados aprovou a admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff, a petista deve embarcar para os Estados Unidos e defender que foi vítima de um "golpe".

Dilma deve viajar amanhã para participar, na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), da cerimônia de assinatura do acordo elaborado no ano passado, em Paris, sobre mudança do clima.

A viagem estava prevista desde o mês passado, mas, diante do cenário de crise política, cogitou-se a possibilidade de ser cancelada.

Durante o discurso na ONU, Dilma planeja sustentar a narrativa de que seu impedimento é um "golpe parlamentar". Essa tem sido linha de defesa usada pelo Planalto desde que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) aceitou a denúncia. O Planalto acusa o peemedebista de revanchismo e diz não haver crime de responsabilidade.

A viagem foi duramente criticada pela oposição. "Ela vai tentar explicar o inexplicável, tentar sensibilizar fóruns internacionais que não a conhecem. Como se o impeachment não estivesse previsto na Constituição", afirmou o presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN).

Ao fazer a defesa de Dilma, o Advogado-Geral da União,José Eduardo Cardozo, e o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva também têm usado o apelo internacional a fim de atrair apoio para Dilma.

A solenidade de assinatura do acordo do clima acontece nesta sexta-feira (22). O pacto envolve metas dos países signatários para reduzir a emissão de gases do efeito estufa, ampliar o uso de fonte sustentáveis de energia e o reflorestamento.

LEIA MAIS

- Dilma rebate homenagem de Bolsonaro a torturador: 'Lamentável'

- Para Joaquim Barbosa, votação do impeachment foi de 'chorar de vergonha': 'Simplesmente patético'

- Católicas pelo Direito de Decidir criticam impeachment de Dilma Rousseff