NOTÍCIAS
05/04/2016 13:56 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Marco Aurélio Mello determina que Cunha aceite pedido de impeachment contra Temer

Montagem/Agência Brasil

O vice-presidente Michel Temer também poderá enfrentar um pedido de impeachment.

Os decretos suplementares e as pedaladas fiscais - que levaram a abertura do processo contra a presidente Dilma Rousseff - também foram assinados pelo vice e é a sustentação jurídica para que ele responda pelo mesmo processo.

A decisão foi referendada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello.

O magistrado determinou que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), aceite o pedido de impeachment contra Temer, feito pelo advogado Mariel Márley Marra, e instale uma comissão especial para analisar o caso.

A minuta da decisão do ministro já tinha vazado na sexta-feira (1º) e na segunda-feira (4) a Câmara divulgou um comunicado no qual dizia não aceitar intromissão da Corte.

A decisão de Marco Aurélio já está em vigor, mas Cunha pode recorrer. Para o ministro, Cunha não deveria ter feito análise de mérito do caso ao arquivar o pedido do advogado. Este debate deve ser feito pela comissão.

LEIA TAMBÉM:

- 'É vingança de Cunha', alega Cardozo para pedir arquivamento do impeachment de Dilma

- Câmara diz que não aceita intervenção do STF para decidir impeachment de Temer

- Para conter crise política, governo adia ajuste fiscal

- Temer não é solução, mas uma tentativa de sufocar a voz popular