NOTÍCIAS
18/03/2016 13:17 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Três em cada cinco parlamentares da comissão do impeachment de Dilma receberam dinheiro de empresas da Lava Jato

Montagem/Câmara dos Deputados

Levantamento feito pelo UOL e publicado nesta sexta-feira (18) mostra que 40 dos 65 deputados federais indicados para formar a comissão que analisa o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) na Câmara receberam dinheiro de empresas investigadas pela Operação Lava Jato, que apura desvios de recursos da Petrobras.

O número corresponde a 61,53% do total de deputados que integram a comissão, que foi eleita por 433 votos a favor na noite desta quinta-feira (17), em chapa única. O presidente será Rogério Rosso (DF), de um partido aliado, o PSD, mas que costuma votar como quer e costuma dar dores de cabeça à base governista. O relator será o deputado Jovair Arantes (GO), líder do PTB e aliado do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

De acordo com as prestações de contas entregues pelos partidos e pelos parlamentares ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), após as eleições de 2014, um total de R$ 8,9 milhões foi repassado por empresas implicadas na Lava Jato a deputados eleitos e diretórios cujos partidos estão representados na comissão do impeachment.

Segundo o UOL, apenas Rede, PSol, PV, PEN e Pros – que possuem indicados para comissão – não receberam recursos de firmas citadas na operação conduzida pelo juiz federal Sérgio Moro. Entre os deputados, Lúcio Vieira Lima (BA) – um dos líderes da dissidência interna do PMDB que quer o rompimento com o Planalto – foi o que mais recebeu doações dessas empresas: R$ 732 mil.

Com R$ 649 mil, o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) também foi agraciado com doações de empresas da Lava Jato. Outros nomes importantes da comissão – Mendonça Filho (DEM-PE), com R$ 250 mil; Nilton Leitão (PSDB-MT), com R$ 511,5 mil; Paulinho da Força (SD-SP), com R$ 241 mil; Leonardo Picciani (PMDB-RJ), com R$ 199 mil; e Arlindo Chinaglia (PT-SP), com R$ 412 mil – também constam no levantamento.

Grandes entusiastas do impeachment de Dilma, Eduardo Bolsonaro (SP) e Marco Feliciano (SP) – ambos do PSC – também ganharam dinheiro de empresas da Lava Jato.

Ao contrário do que poderiam pensar alguns, Eduardo Cunha não consta na lista. Mas ele prometeu acelerar a análise do impeachment, o que, segundo o deputado, "é bom para todo mundo". Principalmente para o Congresso e os seus citados na Lava Jato.

LEIA TAMBÉM

- Líder do Revoltados Online é chamado de 'comunista' e acaba expulso de ato pró-impeachment

- Governo Alckmin 'inaugura' caveirões da PM para retirar à força da Av. Paulista em dia de ato pró-Dilma

- ASSISTA: Artistas se reúnem em vídeo e convocam para manifestações em defesa da democracia

- ASSISTA: Artistas pedem que combate à corrupção seja feito com democracia

- 'Não é papel do judiciário gerar convulsão social', diz advogado de Lula