NOTÍCIAS
18/03/2016 19:03 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Jesse Owens foi corajoso. E estes outros 17 atletas olímpicos negros também

Da esquerda à direita, a fila de trás: Dave Albritton e Cornelius Johnson, recordistas de salto em altura; Tidye Pickett, corredor; Ralph Metcalfe, velocista; Jimmy Clark, boxeador; Matthew "Mack" Robinson, velocista. Na fileira da frente estão John Terry (à esquerda), levantador de pesos, e John Brooks, salto de distância

As pessoas frequentemente se lembram das Olimpíadas de 1936 em Berlim pelo fato de o corredor mítico Jesse Owens ter levado para casa quatro medalhas de ouro, essencialmente triunfando sobre a ideologia odiosa de Adolf Hitler no próprio quintal do líder nazista. Na época, os americanos enxergavam Owens como emblemático da superioridade dos EUA a Hitler e à Alemanha.

Mas Jesse Owens foi apenas um dos 18 atletas negros da equipe olímpica dos EUA que tiveram coragem de participar dos jogos na Alemanha nazista. Este ano comemora-se o 80º aniversário daquela Olimpíada, e as realizações daqueles atletas talvez sejam ainda mais significativas hoje, tantos anos mais tarde.

Em Olympic Pride, American Prejudice ("orgulho olímpico, preconceito americano", em português), documentário previsto para estrear este ano, a roteirista e diretora Deborah Riley Draper conta a história desses atletas que triunfaram apesar de competir em um país dominado pela ideologia mais extrema de supremacia ariana e enfrentar a discriminação em casa, sob as chamadas leis Jim Crow.

Olympic Pride American Prejudice Scene Assembly from Coffee Bluff Pictures on Vimeo.

Draper disse ao Huffington Post que, para ela, as conquistas desses atletas transcendem os esportes e até a questão racial.

“Foi um momento divisor de águas na história. Não apenas na história afro-americana, na história americana, mas na história humana.”

Estes são os nomes dos 18 atletas olímpicos afro-americanos de 1936

Apesar das amplamente divulgadas declarações e ações xenofóbicas de Hitler antes dos Jogos Olímpicos, para finalidades de propaganda política ele pediu ao povo que tratasse bem todos os visitantes ao país, mesmo os que pertencessem a minorias.

“Os berlinenses foram orientados a ser corteses com os visitantes estrangeiros e não deixar que ninguém sentisse qualquer indício de perseguição ou discriminação”, disse Draper.

Os atletas negros da equipe olímpica dos EUA tiveram tratamento igual nos transportes públicos e em lugares como restaurantes – algo que nem acontecia no país que estavam representando nos Jogos.

“Tínhamos 18 atletas negros, eles tinham a palavra ‘America’ nas costas e usavam o uniforme da equipe americana”, disse Draper.

“Mas, quando voltaram aos EUA, ainda não eram totalmente americanos, ainda não tinham os direitos dos americanos, não tinham o respeito dos americanos.”

Mesmo assim, disse a diretora, esses atletas tinham orgulho de representar os Estados Unidos. A disposição deles de participar das Olimpíadas e suas vitórias nos Jogos criaram um momento importante para as relações inter-raciais no pais.

Draper falou do legado de alguns dos atletas e o que ela realmente achou importante sobre as conquistas deles, nas pistas e fora delas.

  • David Albritton – Salto de altura (medalhista de prata)
    David Albritton – Salto de altura (medalhista de prata)
    IMAGNO VIA GETTY IMAGES

    David Albritton (extrema direita) na cerimônia de premiação do salto em altura.

    Dave Albritton tornou-se senador estadual.
  • Cornelius Johnson – Saltura de altura (medalhista de ouro)
    Cornelius Johnson – Saltura de altura (medalhista de ouro)
    ULLSTEIN BILD VIA GETTY IMAGES

    “Entrevistamos três alemães que estiveram nos Jogos de 1936 e ainda estão vivos. Todos se lembraram de Cornelis, porque era um sujeito negro de 2,10 metros. Eles disseram algo como ‘uau, esse cara era incrível'.

    Não apenas ganhou medalha de ouro como era super simpático e altíssimo!’. As pessoas ficavam fascinadas com ele.”
  • Ralph Metcalfe – revezamento 4x100 metros (ouro) e 100 metros rasos (prata)
    Ralph Metcalfe – revezamento 4x100 metros (ouro) e 100 metros rasos (prata)
    ULLSTEIN BILD VIA GETTY IMAGES

    Ralph Metcalfe (segundo à direita) e o resto da equipe americana do revezamento de 4x100 metros, fotografados com a equipe italiana do 4x100 metros, ganhadora da medalha de prata.

    "Ralph Metcalfe virou deputado."
  • Tidye Pickett (a primeira americana negra a competir em Olimpíadas) – 80 metros com obstáculos
    Tidye Pickett (a primeira americana negra a competir em Olimpíadas) – 80 metros com obstáculos
    ASSOCIATED PRESS

    Tidye Pickett (fila da frente) e outras antes de viajar à Europa para as Olimpíadas.

    "As filhas de Tidye Pickett falaram muito de como sua mãe se divertiu e que conheceu algumas italianas ótimas. E elas se divertiram muito em Berlim.”
  • Matthew "Mack" Robinson – 200 metros rasos (prata)
    Matthew
    HULTON ARCHIVE VIA GETTY IMAGES

    Mack Robinson (ao alto e terceiro à esquerda) antes das Olimpíadas

    "O irmão de Jackie Robinson voltou de Berlim, na Alemanha, onde derrotou os nazistas na pista de corrida, trazendo para casa uma medalha de prata das Olimpíadas. Se seu irmão tinha conseguido isso, acabar com a segregação racial no beisebol não seria tão difícil. Isso era algo que ele tentaria fazer.

    Ele não teria medo, porque seu irmão tinha feito algo igualmente corajoso ou até mais.”
  • Archibald Williams – corrida de 400 metros (ouro)
    Archibald Williams – corrida de 400 metros (ouro)
    ULLSTEIN BILD VIA GETTY IMAGES
    Archibald Williams (ao centro) depois de vencer a corrida de 400 metros.

    "Archie Williams acabou virando um piloto militar americano na Segunda Guerra Mundial. Ele se formou piloto enquanto estudava na Universidade da Califórnia em Berkeley, com diploma em engenharia mecânica.”
  • Jesse Owens – 100 metros rasos (ouro), 200 metros rasos (ouro), salto em distância (ouro), revezamento 4x100 metros (ouro)
    Jesse Owens – 100 metros rasos (ouro), 200 metros rasos (ouro), salto em distância (ouro), revezamento 4x100 metros (ouro)
    CORR VIA GETTY IMAGES

    Jesse Owens durante a prova do salto em distância. "Jesse Owens foi usado como propaganda política, sabe. Ele foi um dos maiores atletas que já houve no mundo.

    Mas um dos maiores atletas que já viveu não foi convidado à Casa Branca pelo presidente Franklin Delano Roosevelt."