NOTÍCIAS
18/03/2016 12:26 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Dilma: Politização das investigações é um retorno a páginas atrasadas da nossa História

Roberto Stuckert Filho/PR

Na Bahia, em cerimônia de entrega de unidades do Minha Casa Minha Vida, a presidente Dilma Rousseff voltou a fazer duras críticas a atitude do juizSérgio Moro, da Operação Lava Jato, responsável pela interceptação telefônica que pegou uma conversa entre ela e o ex-presidente Lula. A presidente voltou a dizer que o que o juiz fez foi antidemocrático.

"Sou a favor do mais rigoroso combate à corrupção e dos malfeitos. Todos os corruptos devem ir para a cadeia. A única coisa que não sou a favor é que alguém justifique que para combater a corrupção a democracia tem que ir junto. É possível combater a corrupção e manter a democracia. É possível e necessário. O direito tem que ser respeitado."

Dilma frisou que grampear o presidente sem autorização do Supremo Tribunal Federal fere a Lei de Segurança Nacional.

"Presidente tem garantias constitucionais e não pode ser grampeado. Em muitos lugares do mundo, quem grampear um presidente vai preso, se não tiver autorização da Suprema Corte. Vou tomar as providências cabíveis. Não só porque sou presidente. Mas se eu não tomar atitude, o que vai acontecer com o cidadão comum?"

A presidente voltou a repetir que deu autonomia para a Polícia Federal investigar quem fosse necessário e disse esperar que o mesmo foi feito com o Ministério Público e o Judiciário.

“Hoje temos sólidas instituições, tanto no Judiciário quanto na polícia. Elas são apolíticas porque a justiça não pode ser politizada. Não é possível aceitar qualquer grau de politização de investigação no nosso país. É um retorno a páginas atrasadas da nossa História."

O ex-presidente Lula também foi defendido por Dilma. Ela disse que ele está disposto a ajudar para que o País volte a crescer, "apesar do pessoal que torce contra”. Em um apelo aos beneficiários do programa que acompanharam a cerimônia, a presidente pediu para que eles não se iludam e reforçou que o programa não vai acabar.

LEIA TAMBÉM:

- O que acontecerá com o processo de impeachment de Dilma no Congresso

- 'Já era'? Gilmar Mendes vai julgar ação para barrar Lula na Casa Civil

- Lula pode salvar governo Dilma ou ser engolido pelo antipetismo

- Protestos contra o governo e nomeação Lula chegam a 11 capitais brasileiras