NOTÍCIAS
16/03/2016 19:38 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Conversa entre Dilma e Lula leva Lava Jato para dentro do Palácio do Planalto

Ricardo Stuckert/ Instituto Lula

A GloboNews divulgou no início da noite desta quarta-feira (16) uma conversa entre a presidente Dilma Rousseff e o novo ministro-chefe da Casa Civil, Luiz Inácio Lula da Silva, que pode complicar a crise do governo.

A intercepção telefônica, feita com autorização da Justiça Federal, foi revelada depois que o juiz Sérgio Moro levantou sigilo da 24ª fase da Operação Lava Jato, cujo alvo é justamente o ex-presidente Lula.

O áudio (ouça a íntegra aqui) a que o repórter Vladimir Netto teve acesso mostra o seguinte diálogo:

- Dilma: Alô

- Lula: Alô

- Dilma: Lula, deixa eu te falar uma coisa.

- Lula: Fala, querida. Ahn

- Dilma: Seguinte, eu tô mandando o 'Bessias' junto com o papel pra gente ter ele, e só usa em caso de necessidade, que é o termo de posse, tá?!

- Lula: Uhum. Tá bom, tá bom.

- Dilma: Só isso, você espera aí que ele tá indo aí.

- Lula: Tá bom, eu tô aqui, fico aguardando.

- Dilma: Tá?!

- Lula: Tá bom.

- Dilma: Tchau.

- Lula: Tchau, querida.

É o trecho assinalado acima que leva a Lava Jato para dentro do gabinete presidencial.

Isso porque a fala de Dilma denota que Lula poderia usar o termo de posse "em caso de necessidade".

A necessidade, investigada pela PF, poderia ser o possível cumprimento de uma prisão preventiva de Lula, apuram os investigadores da PF.

No momento em que é empossado no cargo de ministro, o ex-presidente passa a ter foro privilegiado e não pode ser preso por decisão da Justiça Federal — a instância de Moro.

Essa declaração Dilma poderia, portanto, indicar uma tentativa de Dilma e Lula obstruírem a Justiça, avalia o juiz Moro.

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, nega que haja uma intenção do governo de obstruir a Justiça. Segundo ele, Dilma apenas queria uma assinatura de Lula no termo de posse, porque ele não poderia estar presente na cerimônia de posse, informa a GloboNews.

Agora que o Diário Oficial da União traz Lula como ministro da Casa Civil, apenas o STF (Supremo Tribunal Federal) pode analisar um processo contra ele.

Segundo o G1, as investigações da Lava Jato serão remetidas por Moro ao STF.

O Palácio do Planalto repudiou a divulgação da gravação. Por meio de nota, a secretaria de imprensa disse que a decisão de Moro "afronta direitos e garantias da Presidência da República" e que o Planalto vai tomar as "medidas judiciais cabíveis".

Leia na íntegra:

Tendo em vista a divulgação pública de diálogo mantido entre a presidenta Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cumpre esclarecer que:

1 – O ex-presidente Lula foi nomeado no dia de hoje ministro-chefe da Casa Civil, em ato já publicado no Diário Oficial e publicamente anunciado em entrevista coletiva;

2 – A cerimônia de posse do novo ministro está marcada para amanhã (17) às 10 horas, no Palácio do Planalto, em ato conjunto quando tomarão posse os novos ministros Eugênio Aragão, ministro da Justiça; Mauro Lopes, Secretaria de Aviação Civil; e Jaques Wagner, ministro-chefe do Gabinete Pessoal da Presidência da República;

3 – Uma vez que o novo ministro, Luiz Inácio Lula da Silva, não sabia ainda se compareceria à cerimônia de posse coletiva, a Presidenta da República encaminhou para sua assinatura o devido termo de posse. Este só seria utilizado caso confirmada a ausência do ministro.

4 – Assim, em que pese o teor republicano da conversa, repudia com veemência sua divulgação que afronta direitos e garantias da Presidência da República.

5 – Todas as medidas judiciais e administrativas cabíveis serão adotadas para a reparação da flagrante violação da lei e da Constituição da República, cometida pelo juiz autor do vazamento.

Galeria de Fotos Lula ministro: repercussão internacional Veja Fotos