POLÍTICA
15/03/2016 19:06 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Delcídio afirma em delação que Furnas foi início do conflito entre Dilma e Cunha

reprodução

O acordão de delação premiada do senadorDelcídio do Amaral (PT-MS) traz mais uma informação-bomba para o cenário político já conturbado.

Leia o documento na íntegra.

Segundo o depoimento do senador, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), tinha "grande influência" na empresa Furnas, empresa de economia mista subsidiária da Eletrobras que também foi alvo de um esquema de corrupção. Ainda, Cunha pode ter se utilizado da sua força política para pressionar outras empresas a pagar propina, como a Sachin.

Em outra parte do depoimento, Delcídio afirmou que a presidente Dilma Roussef teve que "intervir" no quadro de direção de Furnas, que foi mudado há quatro anos para uma composição mais técnica, pois "a coisa passava da conta".

Na visão do senador, apresentada na delação, a mudança da diretoria da empresa de energia foi o início do enfrentamente entre Dilma e Cunha, já que este ficou "contrariado com a retirada de seus aliados de dentro da companhia".

Cunha é réu na Operação Lava-Jato por supostamente receber US$5 milhões em propina.

A delação premiada de Delcídio do Amaral foi homologada nesta terça-feira (15) pelo ministro Teori Zavascki, relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).