NOTÍCIAS
11/03/2016 18:40 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:40 -02

Promotor reconhece confusão entre Engels e Hegel e dispara: 'vão catar coquinho'

MIGUEL SCHINCARIOL via Getty Images
Brazilian state prosecutors Fernando Henrique de Moraes Araujo (L), Cessio Roberto Conserino (C) and Jose Carlos Blat, give a press conference at the Public Ministry building in Sao Paulo, Brazil, on March 10, 2016. Brazilian state prosecutors on Wednesday filed money laundering charges against ex-president Luiz Inacio Lula da Silva in a dramatic twist to an anti-corruption battle threatening to bring down the government. Lula, who founded the ruling Workers' Party and was president between 2003 and 2010 before helping in his successor President Dilma Rousseff, has repeatedly denied ownership of the apartment or any impropriety. AFP PHOTO / Miguel SCHINCARIOL / AFP / Miguel Schincariol (Photo credit should read MIGUEL SCHINCARIOL/AFP/Getty Images)

"Lula deixaria 'Marx e Hegel' envergonhados". Bastou uma confusão como esta e a internet não perdoou o trio de promotores Cassio Conserino, José Carlos Blat e Fernando Henrique Araújo, responsável pelo pedido de prisão preventiva do ex-presidente Lula.

A repercussão do erro infeliz foi mal vista pelos promotores. Questionado sobre o assunto pela BBC Brasil, José Carlos Blat perdeu a paciência: "Vão caçar o que fazer. Vão catar coquinho".

"É claro que nós sabemos a diferença entre Engels e Hegel. Numa peça de 200 laudas, falando de crimes essenciais, vão preferir ficar discutindo a filosofia? Vão caçar o que fazer. Vão catar coquinho, Isso é uma tolice, é um erro material que já foi verificado e será retificado. Tudo continua como está, não há qualquer gravidade nisso."

Os comentários sobre o posicionamento do MP-SP foram além das correntes filosóficas utilizadas. Juristas, e até a oposição, consideraram os argumentos 'frágeis'.

Um dos pontos levantados por José Carlos Blat e Fernando Henrique Araújo é a afirmativa de que Lula "se vale de sua força político partidária para movimentar grupos de pessoas que promovem tumultos e confusões generalizadas, com agressões a outras pessoas, com evidente cunho de tentar blindá-lo do alvo de investigações e de eventuais processos criminais, trazendo verdadeiro caos para o tão sofrido povo brasileiro."

O advogado e ex-ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Gilson Dipp afirmou ao UOL que somente a capacidade de mobilização política do ex-presidente não pode justificar um pedido de prisão preventiva. Segundo Dipp, é preciso que sejam apresentadas provas de que o ex-presidente tenha de fato tentado interferir no processo.

"Tem que haver no pedido de prisão preventiva elementos concretos que digam que houve ameaça de testemunhas, que se está destruindo provas".

Davi Tangerino, professor da FGV-SP e pós-doutor em Direito Penal, concorda:

"Não tem nenhum fundamento concreto para o pedido de prisão. Dizer que ele está fazendo um discurso político é uma trivialidade, já que ele é político. Essa não é uma hipótese legal. O MP não narra a tentativa de ninguém de ilicitamente obstar a investigação."

Ninguém tem obrigação de saber que o parceiro de Marx era Engels e não Hegel; que Nietzsche se escreve com um "s"...

Publicado por Renato Janine Ribeiro em Sexta, 11 de março de 2016

Os promotores Cassio Conserino, José Carlos Blat e Fernando Henrique Araújo afirmaram, no pedido de prisão preventiva de...

Publicado por Daniela Lima em Quinta, 10 de março de 2016