NOTÍCIAS
24/02/2016 16:31 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:32 -02

Justin Trudeau, premiê canadense, confirma presença na Parada Gay de Toronto

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau será um dos primeiros líderes mundiais a participar de uma marcha do orgulho gay.

A notícia foi anunciada nesta semana pela Pride Toronto, organizadora da Parada Gay em Toronto. Além de Troudeau, vão participar do evento o ministro das Finanças, Bill Morneau, o prefeito de Toronto, John Tory, e Kathleen Wynne, primeira mulher a assumir o cargo de premiê de Ontário.

Segundo o Buzzfeed Canadá, Trudeau já costumava ir à parada antes de ser eleito, e se manifestou no seu Twitter sobre a expectativa para o evento, marcado para dia 3 de julho.

"Muito ansioso para estar lá outra vez, dessa vez como primeiro-ministro."

"Quando nos encontramos no escritório, ele foi muito sério ao falar sobre os direitos dos trans, sobre a igualdade de direitos, sobre imigração, sobre homens gays doando sangue", contou o diretor executivo da Pride Toronto, Mathieu Chantelois, ao BuzzFeed.

De acordo com a BBC, embora seja rara, a presença de um primeiro-ministro em uma parada gay não é inédita: em 2012, a então premiê dinamarquesa, Helle Thorning-Schmidt, compareceu a Parada Gay de Copenhague.

No poder desde outubro do ano passado, Trudeau fez da igualdade um pilar central de seu governo. O líder também vem centrando esforços em ações humanitárias, e se comprometeu a receber, nos primeiros meses de 2016, milhares de refugiados que fogem da guerra da Síria.

De acordo com a mídia canadense, alguns refugiados sírios também devem ir à parada.

Bullying

Nesta quarta-feira (24), o premiê também divulgou um vídeo em apoio ao combate ao bullying. Batizado de "Pink Shirt Day" (Dia da Camiseta Rosa, em tradução livre), o dia ganhou significado em 2007, quando um grupo de estudantes canadenses resolveu defender um colega que foi ridicularizado por vestir uma blusa rosa.

"'Paus e pedras podem quebrar meus ossos mas nomes nunca irão me machucar', simplesmente NÃO é verdade. As palavras machucam e o bullying pode deixar, por muito tempo, cicatrizes emocionais e físicas", afirmou.

No texto, dito parte francês e parte em inglês - os dois idiomas oficiais do Canadá - Trudeau salientou ainda que as diferenças são fonte de força para os canadenses.

"Hoje, nós estamos unidos para dizer não à intolerância, e sim à inclusão. Nós dizemos não à intimidação, e sim à gentileza."

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: