NOTÍCIAS
22/02/2016 17:46 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:32 -02

'Bolsa Ingresso': Vasco inova e deve garantir ingressos para torcedores mais pobres

No momento em que o preço dos ingressos do futebol passa a ser discutido no Brasil e na Europa, o Vasco da Gama tenta inovar.

Não, não é mais um setor VIP a preços estratosféricos. Muito pelo contrário.

A ideia do clube de São Januário é garantir que torcedores de baixa renda consigam continuar frequentando os estádios, sem que o preço seja um impeditivo.

De acordo com informações do jornal Extra, a equipe pensa na "implantação de uma cota de bilhetes a cada jogo em São Januário para ser dado a torcedores que comprovarem ter baixa renda, nos moldes do programa Bolsa Família do governo federal".

As palavras são do controverso Eurico Miranda, o presidente vascaíno. A fórmula é simples, "taxar" os assentos mais caros de que não optar pelo plano de sócio-torcedor.

"Tenho que arrumar uma maneira de não marginalizar a camada popular, o Vasco é um clube popular. O preço teve de ir mais lá em cima este ano. De certa forma, vou penalizar a classe privilegiada. Se não aderir ao sócio-torcedor, vai pagar um preço alto", disse o dirigente ao Globo.

Em 2015, os jogos de menor procura - contra as equipes tidas como "pequenas" -, o cruzmaltino cobrava R$ 15 no ano passado. Este ano, já com a promessa de planos especiais para quem se associar ao time do coração, essa mesma partida passou a custar R$ 50.

Há duas semanas, o jogo Vasco x Flamengo teve preços ainda mais salgados: R$ 80.

Certamente, com a tal cota social - ou Bolsa Ingresso -, os vascaínos menos abonados não precisariam pensar duas vezes na hora da partida.