ENTRETENIMENTO
19/02/2016 18:30 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:32 -02

#FreeKesha: Kesha é obrigada a continuar com produtor após acusá-lo de abuso sexual

Divulgação

Kesha ficou aos prantos nesta sexta-feira (19), na Suprema Corte de Nova York.

Isso porque a artista perdeu a ordem judicial que estava movendo contra o seu produtor Dr.Luke, em que ela reivindicava o rompimento do contrato com ele.

O juiz responsável pelo caso considerou que a quebra de contrato com a empresa de Luke, que é ligada à Sony Music, era infundada e sem embasamento. Os dois trabalham juntos a mais de 10 anos.

Kesha acusa o produtor Lukasz Gottwald de obrigá-la a consumir drogas e grandes quantidades de álcool, para fragilizá-la, e abusá-la física, verbal e emocionalmente.

Em 2014, a artista pop entrou com o processo contra Gottwald, após ficar internada em uma clínica de reabilitação, devido ao tratamento de distúrbios alimentares e psicológicos -- os quais ela alega terem sido provocados pela violência que sofreu.

No ano passado alguns documentos do processo vieram a público.

Neles, o advogado da cantora afirmou que a sua carreira estava em risco, já que ela não lança nada novo desde o seu último hit Timber, feito em parceria com Pitbull, em 2013.

"Kesha não pode trabalhar com outros produtores ou outras gravadoras para lançar músicas novas. Sem música nova para cantar, Kesha não pode fazer turnê. Fora das rádios, dos palcos e dos holofotes, Kesha não pode fazer publicidade, receber patrocínios ou obter atenção da mídia. Seu valor de mercado caiu e, a menos que o tribunal emita uma liminar, Kesha sofrerá um dano irreparável, despencando sua carreira para além de um ponto em que seja possível retornar".

Gottwald, contudo, acusa a cantora de difamação e argumenta que investiu mais de U$ 50 milhões na carreira dela.

O valor não é nada comparado aos danos sofridos pela cantora, alega o seu advogado em relato publicado pelo site TMZ.

"Esta ação é um esforço sincero de Kesha para recuperar o controle de sua carreira musical e sua liberdade pessoal, depois de sofrer por 10 anos como uma vítima de manipulação mental, abuso emocional e sexual nas mãos de Dr. Luke".

Assim que o resultado da audiência de hoje veio à publico, nas redes sociais, fãs se solidarizaram com a artista criando a hashtag #FreeKesha e levantando voz contra a decisão do juiz:

Essa foi só a primeira batalha que Kesha deve enfrentar contra o produtor -- de acordo com o a Suprema Corte, a audiência oficial sobre o caso só deve ocorrer em 2017.

Este ano, a cantora promete tentar retomar a carreira -- e o Brasil serviu de inspiração para isso. Ela foi a atração de shows, ocorridos em janeiro de 2015, em cidades como Salvador, São Paulo e Florianópolis.

LEIA MAIS:

- Vítimas de assédio sexual online têm idade média de 10 anos, diz ONG na CPI dos Crimes Cibernéticos da Câmara

- Apresentadora de TV iraniana divulga áudios de ex-chefe no Facebook em denúncia de assédio sexual

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: