NOTÍCIAS
15/02/2016 11:38 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:31 -02

Número de casos de microcefalia antes de surto era maior que o divulgado pelo Ministério da Saúde

Mario Tama via Getty Images
RECIFE, BRAZIL - JANUARY 29: David Henrique Ferreira, 5 months, who was born with microcephaly, is kissed by his mother Mylene Helena Ferreira on January 29, 2016 in Recife, Pernambuco state, Brazil. In the last four months, authorities have recorded around 4,000 cases in Brazil in which the mosquito-borne Zika virus may have led to microcephaly in infants. The ailment results in an abnormally small head in newborns and is associated with various disorders including decreased brain development. According to the World Health Organization (WHO), the Zika virus outbreak is likely to spread throughout nearly all the Americas. (Photo by Mario Tama/Getty Images)

Apesar das taxa de casos de microcefalia relacionados ao zika vírus ter aumentado no último ano, estudos da OMS (Organização Mundial da Saúde) apontam que havia mais casos da má-formação do que foram divulgado pelo Ministério da Saúde.

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, a taxa de notificação de microcefalia no Brasil até 2014 era de 0,5 caso para 10 mil nascimentos, conforme dados divulgados no Sisnac (Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos). Mas os estudos de dois grupos do Nordeste apontam para índices bem maiores.

Desde o início de 2015, foram confirmados 462 casos de microcefalia, sendo 41 associados ao zika vírus. No total, 3.852 casos são investigados. Mas segundo a OMS, ao analisar diferentes bases de dados de nascimentos, o número era bem maior antes do surto ter início: o Brasil teria pelo menos 6.000 bebês com má-formação por ano.

Os estudos foram feitos por pesquisadores da Universidade Federal do Ceará e por um grupo do Círculo do Coração de Pernambuco. Este último grupo revisou casos na Paraíba entre os anos de 2012 e 2015 e descobriu que 8% dos recém-nascidos tinham má-formação. "Em meados de 2014, houve um pico dos casos de microcefalia, maior que o registrado nos últimos meses", disse a pediatra e autora do estudo publicado pela OMS, Sandra Mattos, à Folha.

Ainda segundo os estudos, uma das hipóteses dos pesquisadores é que, antes do surto na "era zika", o número de casos de microcefalia era ignorado. Com a chegada do vírus, todos passaram a ser notificados.

Respostas sobre o zika

A cada descoberta, novas dúvidas surgem sobre como o zika se comporta. Veja abaixo o que se sabe, até o momento, sobre o zika e sua relação com a microcefalia

1.Está confirmada a relação entre zika e microcefalia?

Estudos publicados nos últimos dias identificaram a presença do vírus no cérebro de bebês com microcefalia que morreram após nascer e em fetos abortados.

Também foi localizado o vírus no líquido amniótico de gestantes e em um grupo de 12 bebês com microcefalia foi detectada a presença de anticorpos para o zika no líquido cefalorraquiano, encontrado no crânio e na medula espinhal. Estudos constataram ainda que o vírus é capaz de atravessar a placenta.

Todos esses indicadores apontam correlação entre o vírus e o problema e, para alguns pesquisadores, não existe mais dúvida de que o zika está causando isso. Mas outros cientistas pedem cautela e mais estudos que mostrem exatamente como seria a ação do zika no desenvolvimento do cérebro.

2.Que tipo de estudo é preciso fazer para ter certeza?

É preciso confirmar como e por que o vírus age do jeito que se imagina que ele age. A única forma cientificamente válida de testar essa relação é reproduzindo a situação em laboratório, com a inoculação do vírus no cérebro de animais e em culturas de células neuronais humanas para ver se ele de fato interfere no seu desenvolvimento.

3.Pode estar ocorrendo uma supernotificação de casos?

Antes de os primeiros casos em Pernambuco começarem a aparecer, no fim de agosto do ano passado, levantando a suspeita entre zika e microcefalia, não havia notificação compulsória no Brasil da má-formação cerebral. Em 2014, por exemplo, foram registrados somente 147 casos.

Diante do novo risco, todo bebê nascido com perímetro cefálico menor ou igual a 32 centímetros começou a ser notificado. Em poucos meses, por causa disso, o número saltou para a casa dos milhares.

O Ministério da Saúde informou que até a última sexta-feira houve 5.079 notificações. Muitos desses bebês, porém, podem ser saudáveis (sem ter lesões ou calcificações no cérebro). Tanto que 765 casos foram descartados como não sendo microcefalia, 3.852 estão sob investigação e 462 foram confirmados. Entre estes casos, em 41 houve relação com zika.

Ou seja, nesses bebês foi detectado o vírus, mas não foram descartadas outras possíveis causas. Essas crianças não foram testadas, por exemplo, para outros vírus relacionados a microcefalia, como rubéola. Os outros 421 ainda estão sendo testados para o vírus.

4. Mesmo se essa relação for confirmada, o que mais é preciso saber sobre o risco aos bebês?

Ainda não se sabe em qual momento da gravidez existe mais perigo. Suspeita-se que seja no primeiro trimestre. Tampouco se sabe por quanto tempo depois que uma mulher foi contaminada ela ainda pode passar o vírus para feto. Especialistas afirmam, porém, que as chances são pequenas, já que o feto só poderia ser infectado durante a fase ativa da doença.

Outra dúvida é se uma pessoa contaminada uma vez pode se contaminar de novo. Por enquanto acredita-se que não, que a pessoa uma vez contaminada fica imune. Como a circulação do vírus é nova, não há certeza.

5. Além da transmissão pelo mosquito Aedes aegypti, já se sabe se é possível pegar o vírus de alguma outra maneira?

Até o momento foram registradas duas transmissões de zika por relação sexual e o vírus foi localizado no sêmen. Na descoberta mais recente, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) publicou o caso de um homem de 68 anos que foi infectado em 2014 em uma viagem à Polinésia Francesa, na época que a região estava sofrendo um surto de zika.

O paciente teve amostras de urina e sêmen testadas novamente 27 e 62 dias depois que ele sentiu os sintomas e para o sêmen o resultado foi positivo nas duas datas. Em outra pesquisa, feita pela Fiocruz, foram identificados o vírus ativo na saliva e urina de pacientes infectados. Apesar disso, não está confirmado que o zika possa ser transmitido por essas secreções.

Para isso acontecer é preciso, por exemplo, que a quantidade de vírus presente nos fluidos seja grande o bastante e ele sobreviva por um tempo fora do corpo, o que não é sabido se ocorre ainda. Outros vírus, como o HIV, também podem ser detectados na saliva e nem por isso são transmitidos dessa forma.

6.Quais outros problemas de saúde se suspeita que o zika pode causar?

Suspeita-se que possa afetar outros órgãos além do cérebro do bebê. Na semana que passou, um estudo mostrou que pelo menos 13 crianças nascidas com microcefalia em Salvador e Recife em casos suspeitos de relação com o vírus apresentam também lesões oculares que podem levar à cegueira.

Também suspeita-se que o zika pode desencadear a Síndrome de Guillain-Barré, uma resposta autoimune do corpo diante de processos infecciosos, levando à paralisação dos músculos.

(Com informações da Estadão Conteúdo)

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: