NOTÍCIAS
18/12/2015 14:52 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

O difícil desembarque de um ministro. Por que é tão difícil suceder Joaquim Levy?

Ed Ferreira/Estadão Conteúdo

A presidente Dilma Rousseff está revivendo a mesma novela do fim do ano passado, a busca por alguém para comandar o Ministério da Fazenda.

O plano adotado no fim do ano passado, de trazer uma pessoa do mercado, para recuperar a economia brasileira naufragou. O principal embate foi a dificuldade para fazer o País voltar a crescer e, ao mesmo tempo, preservar a política fiscal e social.

Frustrado, nos últimos dias, o ministro Joaquim Levy acertou com a presidente a sua saída do cargo.

Só falta o Planalto encontrar alguém que aceite o convite. Isto porque pelo menos três ministros em potencial já negaram o cargo. Eles temem a intervenção do Planalto. Quando ousam cogitar assumir a pasta, também pedem o comando de outras pastas, como o Planejamento e até mesmo o Banco Central.

Entre o empresariado, a avaliação é de que não dá para controlar a Fazenda sem que ela esteja integrada a outros ministérios.

Uma solução caseira seria realocar o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na Fazenda.

A ideia, antes mesmo de ser ventilada, já encontra resistência. Barbosa, assim como Levy, é encarado como responsável pelo mau desempenho do ajuste fiscal.

Com a economia ruim e a perspectiva da indústria de melhora apenas em 2018, qualquer um que assumir a pasta carregará consigo a árdua tarefa de conformar os brasileiros com o mau resultado do mercado.

Um recado do que está por vir para o sucessor foi dado na manhã desta sexta-feira por Levy, em café da manhã com jornalistas que cobrem a Fazenda:

“Algumas iniciativas que nós tomamos, notadamente na distribuição da carga tributária, subsídios e renúncias, a gente não conseguiu chegar a pleno termo. Agora, no final do ano, tinha algumas medidas ligadas ao imposto de renda que eram, como podemos dizer, progressivas. (…) Não houve falha de ninguém . Há processos que interferiram. O desempenho da receita, por conta de interferência política, terminou afetando, com arrecadação abaixo do que você poderia projetar."

Seguiu: "Quando está fazendo sol, você não perde tempo para consertar o telhado. Quando o tempo muda, é bom começar a consertar o telhado antes que venha o temporal”.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: