NOTÍCIAS
23/11/2015 22:48 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:32 -02

Imagens impressionantes da maior tragédia ambiental do País

Mais de duas semanas depois do rompimento da barragem em Mariana (MG) o desastre ambiental continua em andamento. O tsunami de lama atravessou Minas Gerais, chegou no Espírito Santo e já avançou mais de 20 quilômetros do litoral do estado.

O encontro da lama com o mar se tornou uma das imagens mais chocantes da tragédia. Pelo menos duas praias, Regência e Povoação, já foram interditadas e são consideradas impróprias para banho.

Confira imagens da tragédia:

  • Tsumani de lama invade a praia de Regência (ES)
    Tsumani de lama invade a praia de Regência (ES)
    REUTERS/Ricardo Moraes
  • Encontro da lama de rejeitos da barragem com o mar
    Encontro da lama de rejeitos da barragem com o mar
    CACAU FERNANDES/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO
  • Mar de lama em Linhares (ES)
    Mar de lama em Linhares (ES)
    REUTERS/Ricardo Moraes
  • Bombeiros fazem regaste no distrito de Bento Rodrigues
    Bombeiros fazem regaste no distrito de Bento Rodrigues
    REUTERS/Ricardo Moraes
  • Janela de uma casa danificada pelos rejeitos em Bento Rodrigues (MG)
    Janela de uma casa danificada pelos rejeitos em Bento Rodrigues (MG)
    REUTERS/Ricardo Moraes
  • Avalanche de lama da barragem rompida
    Avalanche de lama da barragem rompida
    REUTERS/Ricardo Moraes
  • Distrito de Bento Rodrigues após tsunami de lama
    Distrito de Bento Rodrigues após tsunami de lama
    REUTERS/Ricardo Moraes
  • Um dos pontos turísticos de Governador Valares (MG) tomado pela lama
    Um dos pontos turísticos de Governador Valares (MG) tomado pela lama
    BRUNO ALENCASTRO/Agência RBS/ESTADÃO CONTEÚDO
  • Destruição provocada pelo tsunami de lama
    Destruição provocada pelo tsunami de lama
    ALEX DE JESUS/O TEMPO/ESTADÃO CONTEÚDO
  • Moradores de Paracatu de Baixo retornam às suas casas após a tragédia
    Moradores de Paracatu de Baixo retornam às suas casas após a tragédia
    ALEX DE JESUS/O TEMPO/ESTADÃO CONTEÚDO
  • Horas após a onda de lama, peixes agonizavam nas margens do rio
    Horas após a onda de lama, peixes agonizavam nas margens do rio
    LINCON ZARBIETTI/O TEMPO/ESTADÃO CONTEÚDO
  • Nem os animais escaparam
    Nem os animais escaparam
    UARLEN VALéRIO/O TEMPO/ESTADÃO CONTEÚDO

População prejudicada

A população de Regência e Povoação vive da pesca e do turismo e tem as atividades prejudicadas com a água barrentaque avança sob o mar.

Na sexta-feira (20) o titular da 3ª Vara Civil de Linhares, juiz Thiago Albani, determinou que a Samarco retirasse as boias de contenção instaladas e abrisse a foz do Rio Doce para que a lama de rejeitos se dissipe no mar. Para a decisão, foram ouvidos técnicos ambientais do município e de órgãos como o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema).

A ação foi ajuizada pela procuradoria da prefeitura de Linhares. Conforme técnicos do Iema, reter a chegada da lama ao mar traria mais prejuízos como o risco de inundações e decantação do sedimento em lagoas da região.

A decisão de abrir a foz do Rio Doce contraria a determinação da Justiça Federal do Espírito Santo, que exigia da mineradora a tomada de medidas para impedir a chegada da lama ao mar.

A Samarco divulgou nota informando que toma as providências definidas pelo Ministério Público, Iema, Instituto Chico Mendes e Tamar, de modo a direcionar a lama para o mar e proteger a fauna e flora na foz do Rio Doce.

Desastre

A tragédia causada pelo tsunami de lama deixou 11 mortos, 12 desaparecidos e mais de 600 desabrigados. O desastre causou a morte de peixes e deixou cidades como Governador Valadares sem água.

(Com Agência Brasil)