NOTÍCIAS
15/11/2015 18:54 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:31 -02

Líderes do Brics defendem cooperação para o combate ao terrorismo

Anadolu Agency via Getty Images
BELEK, TURKEY - NOVEMBER 15 : (L-R) Brazilian President Dilma Rousseff, Indian Prime Minister Narendra Modi, Russian President Vladimir Putin, Chinese President Xi Jinping and South African President Jacob Zuma pose for photographers during the BRICS leaders meeting prior to G20 Turkey Summit on November 15, 2015 in Antalya, Turkey. The 2015 G-20 Leaders Summit will be held in Antalya on November 15-16, 2015. (Photo by Ahmet Bolat/Anadolu Agency/Getty Images)

A presidenta Dilma Rousseff e os líderes Rússia, China e África do Sul (Brics) defenderam hoje (15) o fortalecimento da cooperação dentro do bloco de nações emergentes e também com outras nações, para o combate ao terrorismo.

Dilma Rousseff, do Brasil, os presidentes Xi Jiping, da China, Vladimir Putin, da Rússia, e Jacob Zuma, da África do Sul, além do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, reuniram-se hoje, em Antalya, na Turquia, antes de participar da reunião do Grupo das 20 (G20) principais economias mundo.

Rousseff discursou no encontro do Brics, grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, e reiterou seu repúdio aos ataques ocorridos em Paris, na última sexta-feira. "Essa atrocidade torna ainda mais urgente uma ação conjunta de toda comunidade internacional no combate sem tréguas ao terrorismo", disse Dilma Rousseff.

A Presidente brasileira afirmou também que a coordenação do país no G20 irá priorizar temas como os investimentos em infraestruturas, a redução da volatilidade dos mercados globais, a reforma das instituições financeiras e o combate à pobreza e à desigualdade.

Rousseff defendeu uma administração internacional mais "equilibrada e representativa", a reforma do Fundo Monetário Internacional (FMI) e considerou o grupo do Brics como uma "força positiva para a retomada do crescimento global".

Os líderes do Brics divulgaram, em comunicado conjunto, que a recuperação da economia mundial "ainda não é sustentável, o que realça a importância do fortalecimento da coordenação e da cooperação em políticas macroeconómicas entre os membros do G20, para evitar repercussões negativas e de modo a lograr crescimento forte, equilibrado e sustentável".

O grupo extremista Estado Islâmico reivindicou no sábado, em comunicado, os atentados de sexta-feira em Paris, que causaram 129 mortos, 352 feridos, 99 em estado grave.

Sete terroristas foram encontrados mortos nos locais dos ataques, segundo informação das autoridades francesas.

Os ataques ocorreram em pelo menos seis locais diferentes da cidade, entre eles uma sala de espetáculos e o Stade de France, onde ocorria um jogo de futebol entre as seleções de França e da Alemanha.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: