ENTRETENIMENTO
10/11/2015 16:34 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Convidei meus amigos para ouvir as músicas experimentais que gosto e eles detestaram

Reprodução

"Que droga de música é essa que você está ouvindo?"

"Baixa um pouco o volume do seu fone? Parece uma britadeira..."

"Sério que você gosta disso?"

Essas são algumas das frases que ouço diariamente no trabalho. Basta deixar o fone de lado por alguns segundos, que os colegas ficam assustados com a avalanche de ruídos que escapa deles. Noise rock, avant-garde, industrial, jazz, ambient music, IDM e bubblegum bass são alguns dos estilos que diariamente ocupam minhas playlists no Spotify.

Pensando nisso, convidei colegas de redação para que ouvissem algumas das músicas que ouço diariamente, analisando e criticando cada faixa. São canções assinadas por novos nomes da música experimental, como Oneohtrix Point Never, Pharmakon, Holly Herndon, Cadu Tenório & Juçara Marçal, todas lançadas nos últimos meses.

Nome: SOPHIE

Música: L.O.V.E.

Quem é: Comandado pelo produtor britânico Samuel Long, SOPHIE é um projeto de música eletrônica que brinca com elementos da música pop, Hip-Hop, K-Pop e diferentes gêneros comerciais.

Luciana Sarmento - Editora de Notícias

"Isso é música? Por que você está fazendo isso comigo? Tá valendo já? Acho que tem problema no seu computador... Isso é um teste de audição?"

Ione Aguiar - Repórter Ciência e Saúde

"[Silêncio] O que é isso? [Silêncio] Fica só nisso? Hoje em dia qualquer um baixa um programa da internet e faz uma música dessas em dois minutos…"

Gabriela Bazzo - Repórter de Internacional

"[Não para de rir] É isso mesmo? Isso é um zumbido. Que b*sta! Isso não te tira a paz, o juízo? [rindo sem parar]. Parece privação de sentido. Sabe o quarto branco do Big Brother Brasil?"

Larissa Baltazar - Estagiária

"Car*lho… Essa música fica muito tempo assim? Sabe vinheta da MTV que você não entende nada? É o tipo de música que serviria como trilha sonora."

Andréa Martinelli - Repórter de Comportamento

"Quantos minutos tem isso? É feito pra enlouquecer alguém. Como isso pode ser música? Parece que vai começar uma melodia, mas não vai. Tô me sentindo dentro de um negócio com mosquitos. A pessoa está sendo picada?"

Nome: Juçara Marçal & Cadu Tenório

Música: Grande Anganga Muquixe

Quem é: Parceria entre a cantora Juçara Marçal e o músico carioca Cadu Tenório, Anganga é um projeto que mistura o canto dos escravos compilados pelo pesquisador Aires da Mata Machado Filho com arranjos experimentais.

Luciana Sarmento - Editora de Notícias

"[Silêncio] Parece um pouco mais com uma música, mas não é exatamente uma música. Definitivamente eu não ouviria isso… A parte do canto parece boa, mas a música... Esse barulho é péssimo. Por que estragaram essa música?""

Ione Aguiar - Repórter Ciência e Saúde

"Parece um acidente na seção de bricolagem na Leroy-Merlin. Mas eu gosto"

Gabriela Bazzo - Repórter de Internacional

"Parece que o seu computador travou. Lembra quando travava o Winamp? Parece Ilariê da Xuxa tocada de trás para frente. Essa música não te dá angústia? Jesus salve esse menino. Você não consegue cantar isso. Um horror. Tudo confuso. Ouve isso? [chama a colega do lado] preciso ouvir 100 anos de Fernando e Sorocaba para me recuperar".

André Murched - Designer e Editor de Vídeos

"Que língua é essa? É português! Parece alguém cantando em uma obra. Tem duas coisas diferentes tocando ao mesmo tempo".

Andréa Martinelli - Repórter de Comportamento

"É um atabaque muito mal-feito em um terreiro de macumba. Parece que a galera está batendo no balde. Uma coisa não encaixa na outra. Ela só fica falando isso? Jamais recomendaria isso".

Nome: Oneohtrix Point Never

Música: I Bite Through It

Quem é: Comandado pelo produtor norte-americano Daniel Lopatin, Oneohtrix Point Never é um dos projetos mais importantes da presente safra da ambient music.

Luciana Sarmento - Editora de Notícias

"[Olhar de desânimo] Eu estou esperando algo acontecer. Parece uma criança aprendendo a tocar um instrumento".

Ione Aguiar - Repórter Ciência e Saúde

"Essa é de balada [balançando o corpo]. Parece que deu pau no arquivo do computador. O que é isso? David Guetta fazendo música experimental? "

Luiza Belloni - Repórter de Economia

"Parece eletrônico de balada que toca no intervalo das minhas músicas sertanejas. É meio estranho né? Não muda o ritmo. Definitivamente não gostei. É uma batida meio rock… Meio metálico… É desagradável."

André Murched - Designer

"Tá arranhado né? Sabe o que é pior? Se a música não parecesse arranhada ela seria boa. Tem alguém batendo um martelo. Isso é barulho de impressora?"

Nome: Pharmakon

Música: Primitive Struggle

Quem é: Pharmakon é um projeto de Industrial Noise comandado pela musicista norte-americana Margaret Chardiet. Sons guturais, ruídos metálicos, tosse, vômito e outros sons do próprio corpo humano são utilizados para a montagem das canções.

Luciana Sarmento - Editora de Notícias

"Parece alguém tossindo. Que nojo! Tem alguém fungando! 'Ode ao tuberculoso' deve ser o nome dessa música. Eca! Para! [Começa a tossir] Eu pensei que fosse melhorar em algum momento, mas não!"

Luiza Belloni - Repórter de Economia

"Está me dando agonia… Alguém está vomitando? Credo! Sério que você ouve isso no trabalho? Que b*sta! Que agonia ouvir isso… Pode mudar? Eu vou vomitar aqui, acabei de comer..."

Larissa Baltazar - Estagiária

"Eu dançaria um balé contemporâneo com ela... Mas se ela ficar o tempo todo assim, não. Eu poderia gravar isso se estivesse doente e com tosse. Quanto tempo dura essa música? Por que você ouve isso?"

Ione Aguiar - Repórter de Ciência

"Saúde, moça..."

André Murched - Designer

"[Rindo sem parar] Não consigo decidir se ela está fazendo cocô ou vomitando. Essa eu posso dizer que foi gravada no banheiro, né? Isso não é música. É só barulho. Eu sinto que tem alguma coisa de errado com você".

Andréa Martinelli Repórter de Comportamento

"Alguém ajuda essa pessoa? Não vou conseguir terminar de ouvir. É muito intenso. Acho que as pessoas ouviriam isso no banheiro. Se você quer passar mal, ouça essa música. Essa é a que mais me deixou perturbada. Parece que você vai passar mal pela pessoa. Ela vai piorando, parece que ela está passando muito mal."

Nome: Holly Herndon

Música: Interference

Quem é: Compositora e artista multimídia californiana, Holly Herndon conta com dois álbuns de estúdio - Movement (2012) e Plataform (2015) -, e costuma utilizar a própria voz como principal instrumento de trabalho.

Luiza Belloni - Repórter de Economia

"[Silêncio] Essa parece 'melhor'. Se estivesse bêbada provavelmente estaria curtindo. É meio lisérgica. Sabe quando você faz um documentário, está preparando o público para uma cena emocionante? Eu usaria esta música. Em balada eu acho que dançaria."

Larissa Baltazar - Estagiária

"Essa parece ser bem mais legal. Eu ouviria essa música depois da balada. Sabe quando você está meio bêbado e quer ouvir alguma coisa aleatória? Eu ouviria isso. Parece um remix de Enya."

Nome: Hannah Diamond

Música: Hi

Quem é: Um dos principais nomes do selo britânico PC Music, Hannah Diamond utiliza de diferentes referências da música pop dos anos 1990 e 2000 como estímulo para o som "plástico" das próprias canções e visual dos clipes.

Larissa Baltazar - Estagiária

"Isso não é estranho. Eu estou meio louca, mas parece a voz da Lady Gaga. Eu não ouvira essa música, mas respeito quem gosta. Entendo que alguém possa gostar dessa música. A letra não faz muito sentido, ela fala de coisas diferentes. Não achei estranha mesmo. Acho que ficaria com ela na cabeça."

Gabriela Bazzo - Repórter de Internacional

"Essa é legal. Dá pra dançar bêbada. Parece aquelas coisas com água… Tipo Castelo Rá-Tim-Bum. Eu imagino um quadro do Castelo Rá-Tim-Bum. Essa eu gostei, achei bem simpática. Ouviria… Não muitas vezes, mas ouviria. Essa é bem bonitinha. Nenhuma balada que eu frequento tocaria isso."

André Murched - Designer

"Isso é video game, com certeza. É o barulho de pegar moeda do Sonic. Inclusive o Sonic pulou agora. Não acharia esquisito se você me falasse que ela foi feita toda com músicas do Sonic. Não gostei. Mas não é ruim. Não pararia para escutar isso."

Andréa Martinelli - Repórter de Comportamento

"Dessa eu gostei. Ela é britânica, certo? Acho que essa é a mais normal. Por enquanto, a menos experimental. Tô com a impressão de que a qualquer momento vai começar alguma coisa estranha. Essa é boa pra tocar."

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: