NOTÍCIAS
08/10/2015 09:35 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

PF deflagra nova etapa da Zelotes, que apura esquema maior que o da Operação Lava Jato

Montagem/Estadão Conteúdo

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (8) uma nova etapa da Operação Zelotes. Estão sendo cumpridos pelos policiais 7 mandados de busca e apreensão, 5 deles em Brasília e 2 no Rio de Janeiro. As medidas judiciais foram concedidas pela 10ª Vara Criminal Federal do DF.

As ações desta quinta-feira, segundo a PF, são fruto da primeira análise do material apreendido na deflagração da Zelotes, em 26 de março de 2015. Nos documentos apreendidos naquela ocasião, afirma a Polícia Federal, foram identificados indícios que apontam para a participação de outro Conselheiro do Conselho Administrativo de Recursos Humanos (Carf), além de escritórios de advocacia ligados a ele.

PF DEFLAGRA 3ª FASE DA OPERAÇÃO ZELOTESA Polícia Federal realiza, hoje (8), a 3ª fase da Operação Zelotes, fruto da an...

Posted by Departamento de Polícia Federal - MJ on Quinta, 8 de outubro de 2015

"Durante os quase 7 meses de investigação em andamento Superintendência da Polícia Federal no DF, visando apurar a prática dos crimes de advocacia administrativa fazendária, tráfico de influência, corrupção ativa e passiva, associação criminosa e lavagem de dinheiro, ocorrida em decorrência de negociações escusas realizadas em processo administrativos de interesse Carf, ficou comprovado que Conselheiros e funcionários do desse órgão defendiam interesses privados, em detrimento da União, e ainda, valendo-se de informações privilegiados, realizavam captação de clientes através de "escritórios de assessoria, consultoria ou advocacia", que ofereciam "serviços e facilidades" em julgamentos dentro do Carf", afirma a PF em nota.

A Operação Zelotes foi deflagrada no dia 26 de março deste ano. Naquele dia, 180 policiais federais cumpriram 41 mandados de busca e apreensão nos Estados de São Paulo, Ceará e no Distrito Federal. Os crimes investigados são: Advocacia Administrativa Fazendária, Tráfico de Influência, Corrupção Passiva, Corrupção Ativa, Associação Criminosa, Organização Criminosa e Lavagem de Dinheiro.

As fraudes apuradas pela PF junto ao Carf/ Receita Federal e já somam prejuízos de, pelo menos, R$ 5,7 bilhões aos cofres públicos - suspeita-se que o rombo possa ser até três vezes maior do que o apurado na Lava Jato. Entre os suspeitos de envolvimento está o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Augusto Nardes, relator do processo que reprovou as contas de 2014 da presidente Dilma Rousseff.

Entenda o caso

Inicialmente, os investigadores tinham como alvo 74 processos no valor de R$ 19 bilhões - o que corresponderia ao triplo do valor inicial da Operação Lava Jato. A reportagem apurou, contudo, que até o momento o valor levantado nas investigações não chega a R$ 6 bilhões.

O esquema no Carf é investigado por uma força-tarefa da Polícia Federal, Ministério Público Federal e Receita. O caso foi iniciado após uma denúncia anônima do conselheiro Paulo Roberto Cortez à Receita e depois à PF. Segundo ele, conselheiros recebiam propina para atrasar processos de grandes empresas que discutiam dívidas do "tribunal administrativo da Receita", reduzir ou até mesmo anular multas. É a primeira vez que o órgão é investigado.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, em matéria publicada em março deste ano, as instituições financeiras Bradesco, Safra, Pactual e Bank Boston, a montadora Ford, além da gigante da alimentação BR Foods também estão entre os investigados.

Na mesma relação constam ainda a Petrobras, a Camargo Corrêa e a Light, distribuidora de energia do Rio de Janeiro, e o grupo de comunicação RBS, afiliado da Rede Globo nos Estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: