NOTÍCIAS
29/09/2015 14:11 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

O Brasil sem Dilma: Políticos analisam cenário de impeachment

MARCOS DE PAULA/Estadão Conteúdo

O Brasil está mergulhado em uma profunda crise política e econômica. Para os que defendem o impeachment, tudo se resolveria se a presidente Dilma Rousseff deixasse o comando do País. No entanto, os contrários ao impedimento argumentam que, com a queda da presidente, seria instalada mais uma crise no País, a institucional.

O Brasil Post ouviu políticos de várias vertentes para entender o que o País perderia sem Dilma Rousseff.

O PT faz o possível para se esquivar do debate e não quer colocar mais lenha na fogueira. Oficialmente, o discurso contra o impeachment é o homogêneo.

Amigo da presidente e um dos fundadores do PT, o deputado distrital Chico Vigilante engrossa o coro dos aliados de Dilma:

“O País perderia em todas as áreas. O impeachment cria uma convulsão tanto financeira, quanto política, econômica e socialmente. Eleição se disputa de quatro em quatro anos, quem ganha governa. Quem não se contentou não pode querer fragilizar o País, deixar os brasileiros à deriva. Não existe amparo legal para transformar o País em republiqueta de bananas. Investir no impeachment é querer desviar a atenção da opinião pública da Operação Lava Jato."

Nos bastidores, porém, há senador petista que diz que, no caso de impeachment, a oposição se daria mal.

Para esse parlamentar ouvido pelo Brasil Post, o sucessor de Dilma pegaria um País quebrado, teria que aguentar a fragilidade do momento, além de ter que tocar reformas impopulares para colocar o País de volta nos trilhos.

Mesmo empolgada e defensora do impeachment, a oposição não está afinada sobre o futuro do País. Uma das principais lideranças do PSDB, o senador Álvaro Dias(PR) cobra o impedimento, mas não arrisca um prognóstico sobre o futuro.

“A oposição tem o dever de repercutir o sentimento nacional pró-impeachment. O papel da oposição é esse. Obviamente, o day after é que preocupa. Não temos como avaliar as consequências. Se houver um impeachment, o vice-presidente assume. Mas ele é governo. Se essa solução proporcionará benefícios ao País, isso é relativo. Só o tempo comprovará."

A ala do PMDB, partido do vice-presidenteMichel Temer, que flerta com a oposição, entretanto, acredita que o País sairá melhor se a presidente deixar o posto.

Até os mais radicais não negam que haverá um período de fragilidade, mas argumentam que será passageiro.

O deputado federal Darcísio Perondi (PMDB-RS) vai na linha das propagandas de Temer:

“O Brasil já vive uma de suas maiores crises político, moral, ética e fiscal. A presidente cometeu crimes de improbidade administrativa no primeiro e no segundo mandato. Ela colocou o Brasil em um buraco fiscal histórico. Isso leva a um ambiente de falta de confiança do investidor, das empresas, do consumidor. É preciso um novo líder, que reunifique o Brasil. O prejuízo imediato seria o agravamento da crise política, mas é transitório.”

Leia as opiniões pró e contra o impeachment de Dilma

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: