NOTÍCIAS
24/09/2015 12:12 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Dólar chega a R$ 4,24 apesar de BC, por preocupações com política e economia

Reprodução/Facebook

O dólar continua a subir e bater recorde na manhã de hoje (24). Às 10h da manhã, o dólar avançava 2,10 por cento, a R$ 4,2333 na venda, e, por volta das 10h30, a moeda chegou a ser cotado a R$ 4,2472.

A partir do meio dia, a moeda teve uma leve queda e estava cotada a R$ 4,20.

Ontem, o dólar fechou com forte alta, vendido a R$ 4,13, com alta de 2,28%. A moeda subiu mesmo com intervenções do Banco Central no mercado de câmbio.

O BC fez leilões de venda de dólares das reservas internacionais com compromisso de recompra futura e de novos contratos de swap (operação equivalente à venda de dólares no mercado futuro), que não era realizado desde abril.

O BC vinha realizado apenas operação de rolagem (renovação) de swaps cambiais. Além de fazer os leilões, ontem, o BC anunciou um leilão de swap cambial para hoje.

Preocupações

"Estamos em uma sinuca de bico. Recessão com inflação é uma espiral perigosa e, se não sairmos rapidamente disso, pode ser desastroso. E as chances de isso acontecer são cada vez menores, principalmente com a política como está", disse o operador de uma corretora nacional.

Operadores relutavam em estimar até que ponto o dólar deve subir, mas é unânime a percepção de que deve continuar pressionada. O dólar subiu nas cinco sessões anteriores, acumulando 8,14 % de alta.

A valorização da moeda vem refletindo a desconfiança do investidor com uma melhora das crises política, fiscal e econômica. O nervosismo foi acentuado pela deterioração das projeções trazida pelo Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado mais cedo pelo Banco Central.

Outra notícia ruim é a de que a taxa de desemprego em agosto aumentou para 7,6%, de 7,5% em julho, a maior taxa desde setembro de 2009 (+7,7%).

No exterior, as bolsas caem, refletindo a cautela antes da fala da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, no fim do dia (18 horas).

(Com informações da Reuters, Agência Brasil e Estadão Conteúdo)

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: