NOTÍCIAS
04/09/2015 08:54 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:34 -02

Ninguém resiste 3 anos e meio com esse índice de popularidade, diz Michel Temer

RENATO COSTA /FRAME/ESTADÃO CONTEÚDO

Ao participar de um debate promovido pelo Movimento Política Viva, na noite dessa quinta-feira (3), em São Paulo, o vice-presidente da República, Michel Temer, disse, ao ser indagado sobre a atual baixa popularidade do governo, que ninguém resiste três anos e meio com esse índice, de acordo com áudio, de parte do debate, disponibilizado pelo G1.

"Hoje, realmente o índice é muito baixo. Ninguém vai resistir três anos e meio com esse índice baixo. Muitas vezes, se a economia começar a melhorar, se a classe política colaborar, o índice acaba voltando ao patamar razoável”.

Temer disse ainda que não basta torcer para o índice de popularidade melhorar, é preciso trabalhar para isso. “O que nós precisamos não é torcer, é trabalhar para que nós possamos estabilizar essas relações. Se continuar assim, eu vou dizer a você, para continuar 7%, 8% de popularidade, de fato fica difícil passar três anos e meio".

O vice-presidente reforçou, porém, que espera que o governo "vá até 2018", em referência ao fim do mandato da presidente Dilma Rousseff. "Que venham naturalmente eleições. E aí tem uma preocupação sua muito legítima: como é que nós vamos resistir a isso até 2018", completou, em declarações reproduzidas pelo blog do jornalista Fernando Rodrigues.

Temer ainda falou sobre a possibilidade do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)impugnar a chapa dele e de Dilma - "se o TSE cassar a chapa, cassou a chapa. Acabou. Eu vou pra casa, feliz da vida" - e de ser presidente, caso a petista viesse a renunciar - "ela (Dilma) não me parece que seja, digamos, 'renunciante' (sic).

Mas o peemedebista mostrou bastante incômodo ao ser questionado sobre um possível 'oportunismo' com a crise vivida pela presidente e pelo partido dela, o PT.

"Jamais seria oportunista, percebe? Quero deixar isso muito claro para o senhor. Em momento nenhum eu agi de maneira oportunista. Eu vou dizer ao senhor: muitas e muitas vezes dizem assim: 'O Temer quer assumir o lugar da presidente'. Eu não movo uma palha porque aí sim eu seria oportunista. Aí, eu violaria a minha história", afirmou Temer.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: