Comportamento

Homens produzem mais espermatozoides quando estimulados por 'nova fêmea'

Os homens ejaculam mais rápido e produzem mais espermatozoides e de melhor qualidade quando eles se masturbam com o "estímulo de uma nova fêmea" dizem os cientistas.

Dizem que a variedade é o tempero da vida e novas e provocativas pesquisas de cientistas de Ohio sugerem que isso é verdade no mundo do sexo e na reprodução humana.

Com a ajuda de 21 homens e alguns vídeos pornográficos, pesquisadores do The College of Wooster mostraram que os homens ejaculam mais rápido, produzem mais espermatozoides e de melhor qualidade quando eles se masturbam com o "estímulo de uma nova fêmea".

Em outras palavras, eles aproveitavam mais a masturbação com uma mulher atraente que viam pela primeira vez.

A descoberta não significa que os homens estejam de certa forma programados para enganar suas namoradas e esposas. Apenas sugere que os homens evoluíram de tal forma que é mais fácil para eles terem relações sexuais com (e fecundarem) outras mulheres sem que as suas parceiras habituais descubram.

Conforme disse a Dra. Laura K. Sirot, coautora e professora assistente de biologia na Universidade, "Nosso estudo não sugere nada sobre monogamia, se é favorecida ou não pela seleção natural. No entanto, os resultados deste estudo e de outros estudos de comportamento sobre o diferencial da ejaculação humana sugerem que as cópulas com uma outra parceira (ou extraconjugais) possam ter ocorrido no nosso passado evolutivo."

Além de oferecer novos insights sobre a biologia evolutiva, esta descoberta pode levar a uma melhor detecção e tratamento da infertilidade masculina.

Quando os homens consultam um médico sobre problemas de fertilidade, muitas vezes eles oferecem amostras de sêmen coletadas enquanto se masturbavam com pornografia. E já que aparecem novas mulheres "as ejaculações produzidas em clínicas de fertilidade podem ser de melhor qualidade do que as habituais, o que pode ocultar qualquer problema potencial de fertilidade vivenciada no quarto", disse em um comunicado Paul N. Joseph, coautor e graduado de 2014 da faculdade.

Assim a descoberta pode ajudar as mulheres a evitarem procedimentos diagnósticos invasivos ao detectarem problemas de fertilidade que realmente são de seus parceiros.

Para o estudo os pesquisadores analisaram amostras de sêmen coletadas por 21 homens heterossexuais quando se masturbavam ao assistirem sete filmes de sexo explícito da série "Passions Intimate" (“Paixões Intimas” em tradução livre) em um período de 15 dias. Os seis primeiros filmes tinham a mesma atriz e o mesmo ator, o sétimo tinha o mesmo ator, mas uma atriz diferente.

Os homens foram convidados a se absterem de álcool e atividades sexuais nas 48 horas que antecediam cada sessão de masturbação.

O que aconteceu? Os pesquisadores observaram aumentos acentuados tanto no volume ejaculado como no número de espermatozoides móveis dos homens após eles assistirem o sétimo filme. O tempo de ejaculação foi significativamente menor para os homens ao assistirem esse filme.

"É possível que, ao acaso, as atrizes ou cenas escolhidas aleatoriamente para a nova tentativa de cada participante tendessem a ser aquelas que os homens achavam mais excitantes", disse Sirot. "Nós não perguntamos aos homens sobre a classificação subjetiva do seu nível de excitação. No entanto, a nossa experiência foi deliberadamente concebida para tentar eliminar qualquer diferença consistente entre os outros vídeos dos clipes mais novos."

Caso você esteja se perguntando o que levou os participantes a fazerem um estudo como este, a resposta é praticamente nada. Como Sirot explicou: "Cada indivíduo participou voluntariamente, sem pagamento e não foi necessária qualquer forma de compensação."

Talvez isso não seja uma grande surpresa.

O estudo foi publicado em junho de 2015 na edição da Revista Evolutionary Psychological Science.

(Tradução: Simone Palma)

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.