COMPORTAMENTO
02/08/2015 10:00 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

'Eu vejo flores em você': projeto feminista quer que mulheres troquem 'cartas de amor' entre si

flores em você2

Frida Kahlo, sempre que sentia necessidade de dizer algo importante a alguém, estivesse ou não viajando, escrevia cartas. Ela simplesmente sentia vontade de declarar seu amor, fosse a Diego Rivera, seu grande companheiro, ou a outros tantos amores (entre homens e mulheres) que teve durante a vida. Assim, ela se permitiu brincar com a linguagem e expressar suas emoções de uma forma sublime -- o que talvez não seria possível por meio de uma tela de computador.

Já imaginou chegar em casa e, entre as contas de luz, gás, cobranças e dívidas encontrar uma cartinha escrita e ilustrada especialmente para você? Algumas meninas de Brasília (DF), estão retomando o hábito já esquecido de Frida Kahlo -- e querem que você receba e mande cartas para as mulheres que ama e admira. Esta é a ideia do projeto feminista "Eu vejo flores em você".

Juntas, elas formam um time poderoso: Ao todo elas são 35, entre organizadoras, ilustradoras fixas e convidadas que trabalham para divulgar a ideia, receber os textos, organizá-los e coletar ilustradoras voluntárias para dar (mais) vida às cartas que são produzidas por elas. A ideia aqui é exercitar e difundir o empoderamento entre mulheres. E só entre elas.

flores projeto carta

"O feminismo muda nosso comportamento, nosso corpo, nossa casa, nossa família... Muda todas as nossas relações. Acredito que a mudança mais profunda que ele provoca é na relação com outras mulheres. O feminismo me tornou uma pessoa melhor, menos julgadora e mais colaborativa. Estamos todas aqui, só precisamos nos comunicar mais", conta Daniela Duarte, 22, idealizadora do projeto.

Tudo começou com algumas ilustrações que Daniela usou em uma carta que escreveu a uma amiga que, assim como ela, estava passando por problemas. Este foi o jeito que ela encontrou para apoiá-la e dizer como estava se sentindo.

"Eram ilustrações com mulheres e flores dentro delas. Tanto eu, quanto ela estávamos em um momento difícil da vida. A frase 'eu vejo flores em você', por mais batida e clichê que seja, foi a que melhor ilustrava o meu sentimento por ela", conta. Esta é a ilustração que abre a matéria.

A carta na íntegra pode ser lida aqui.

Deu tão certo, que Daniela teve a ideia de transformar isso em algo maior. Por que não fazer disso uma ferramenta para empoderar mulheres? "O projeto é uma expressão da sororidade. Nosso objetivo é que ele possa atingir muitas mulheres e uni-las pela arte e pela escrita. Queremos expor todo o afeto que existe entre nós, inclusive nos casos em que é impossível dar um abraço pessoalmente ou dizer algo difícil".

flores projeto

O projeto existe apenas há cinco meses mas já conquistou o apoio do ANIS (Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero), do Balaio Café (ponto de encontro de artistas de Brasília e de manifestações sociais), e do Instituto Sabin, um braço do Laboratório Sabin, de Brasília, que que patrocina a fabricação de carimbos para as cartas, além de auxiliar no custo com tinta de impressora, envelopes, papel reciclado e até o custo do envio.

A ideia é que, mais para frente, o projeto amadureça e se engaje cada vez mais em causas ligadas aos direitos das mulheres. Inicialmente, o projeto começou em Brasília (DF), mas já tem colaboradoras de todo o Brasil.

"Queremos que o projeto contribua de maneira ainda mais significativa para a sociedade, entrando em comunidades de baixa renda, presídios femininos, grupos de apoio a vítimas de violência. Queremos expandir e otimizar o projeto ao máximo e quem sabe até transformar ele em livro", conta Daniela.

Quer mandar a sua?

Funciona assim: sem o endereço da pessoa não é possível fazer a surpresa, então, o ideal é dar um jeito de descobrir sem que ninguém desconfie. O segundo passo é escrever a carta. Se você escrever à mão, não tem problema. Mas é necessário passar para ao computador e clicar em "Envie sua Carta" no site do projeto para que a produção comece.

"O conteúdo da carta deve ser positivo, pois estamos aqui para espalhar amor e união. Não pode haver conteúdo erótico por fugir ao foco do projeto", aponta Daniela.

Um formulário é preenchido e, assim que chegar às organizadoras, a carta é repassada às ilustradoras e começará a ser produzida. Caso a remetente queira, o texto pode ser datilografado em uma máquina de escrever Olivetti Lettera 22 -- o que faz com que demore um pouco mais para chegar à destinatária. Todo o processo de envio é feito sem nenhum custo.

Abaixo, algumas das cartas que já foram feitas e enviadas no projeto:

  • Reprodução/Euvejofloresemvocê
  • Reprodução/Euvejofloresemvocê
  • Reprodução/Euvejofloresemvocê
  • Reprodução/Euvejofloresemvocê
  • Reprodução/Euvejofloresemvocê
  • Reprodução/Euvejofloresemvocê
  • Reprodução/Euvejofloresemvocê
  • Reprodução/Euvejofloresemvocê
  • Reprodução/Euvejofloresemvocê
  • Reprodução/Euvejofloresemvocê


SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: