COMPORTAMENTO
23/07/2015 18:44 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

A intimidade e a paixão de casais LGBT na fotografia de Ewan Phelan (╈18)

Há anos o fotógrafo Ewan Phelan e sua esposa Brianna documentam alguns dos momentos mais marcantes e íntimos de casais LGBT em seus quartos.

Eles trabalham como educadores e fotógrafos viajantes. Eles são especialistas em fotografia boudoir (termo francês que serve para definir os ensaios sensuais produzidos com mais romantismo e sem tanta necessidade do nu) e esse trabalho levou-os ao redor do mundo. Eles também dão aulas regularmente em conferências internacionais e juntos chegaram à lista dos Educadores Top 10 da Rangefinder Magazine.

O trabalho do casal explora a ideia de que a nudez e a sexualidade não são partes vergonhosas da experiência humana. "Devemos sempre ter orgulho de quem somos e da nossa capacidade de compartilhar intimidade com os outros - e isso não deve necessariamente ser escondido dos olhos do público".

Ewan Phelan compartilha com o The Huffington Post algumas dessas imagens boudoir. Essas não são "apenas fotos bonitas", disse Phelan. "Elas são uma extensão dos indivíduos retratados e de mim mesmo." O fotógrafo disse que o público "deve sair com algum sentimento ao ver as imagens, bom ou mau".

Galeria de Fotos Ewan Phelan retrata a entrega e a paixão de casais LGBT Veja Fotos

"Assim como em todo o meu trabalho eu vou fazer as fotos com os principais temas na minha mente, para passar isso ao espectador e aos clientes nas fotos", disse Phelan ao HuffiPost. "Eu quero ser capaz de mostrar como eu vejo o mundo. Eu quero mostrar a verdadeira crueza da emoção, a vulnerabilidade e a força que podem ser encontradas na nossa sexualidade. E, especificamente para os casais, eu quero mostrar a verdadeira conexão que existe entre eles nesses momentos íntimos".

"O lema do meu trabalho é ame-o ou odeie-o - só não apenas “goste”", continuou Phelan. "Eu quero confrontar os espectadores e fazer com que eles se perguntem: o que existe no meu trabalho que faz as pessoas ficarem desconfortáveis? O que os tornam desconfortáveis sobre a sexualidade? Eu quero que eles se perguntem por que estão com medo de aceitar uma parte tão importante do que os fazem ser quem eles são.  A nossa sexualidade transforma grande parte de quem somos como espécie e como indivíduo. Ninguém deveria ter vergonha disso. A nudez e a sexualidade não são coisas que precisam ficar escondidas atrás de portas fechadas, algo que nos dê vergonha ou que não falamos. Se isso se tornasse uma conversa normal, não tabu, então talvez nós pudéssemos fazer um trabalho melhor para a próxima geração, um que nunca foi feito para nós".

"Espero que aqueles que sentem que precisam esconder quem são ou que tiveram parte de si reprimidas por qualquer razão, encontrem força ao ver estas fotos - LBGT ou héteros", afirmou também Phelan. "Eles não devem ter medo de se expressarem como seres sexuais. Há empoderamento e não vergonha ao fazê-lo. Eu quero que essas pessoas vejam que não estão sozinhas e que aquelas que tentam envergonhar quem expressa a sua sexualidade estão do lado errado da história.  Espero que estas fotos unam as pessoas para que elas vejam que o amor e a paixão são iguais entre quem as compartilham. Eu quero que o público seja arrastado para o meu mundo, que eles vejam da maneira que eu vejo e sejam consolados ou confrontados por ele. Eles devem sair com algum sentimento, ao verem as imagens, bom ou mau. Estas não são apenas fotos bonitas. Elas são uma extensão dos indivíduos retratados e de mim mesmo."

Quer ver mais de Phelan? Veja o Instagram do fotógrafo aqui ou o de sua esposa, Brianna Phelan, aqui. Você pode ver mais exemplos do trabalho deles em Do More Wear Less ou Forty Percent.