NOTÍCIAS
20/07/2015 15:50 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Operação abafa: Aliados do governo reforçam discurso de que não há instabilidade política

ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO CONTEÚDO

Os governistas estão fechados no discurso de que a ruptura do presidente da Câmara dos Deputados,Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com o Palácio do Planalto não traz nenhuma instabilidade política. Em Nova York, o vice-presidente Michel Temer disse que a ida de Cunha para a oposição gera uma "crisezinha política", mas não uma "instabilidade institucional".

De acordo com a Folha de S.Paulo, a declaração do vice-presidente ocorreu após uma palestra no clube da Universidade Cornell. Lá, ele minimizou o momento difícil. Disse que o País atravessa uma "pequena" crise econômica e " um pouco da crise política, que será superada".

No Planalto, o braço direito de Temer, ministro da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha, reforçou o coro de que não há grandes problemas. "Nós, do Executivo, faremos tudo o que estiver ao nosso alcance, e o Legislativo também, para que as relações sejam harmoniosas. Agora, isso não significa concordância em 100% daquilo que for objeto de discussão", afirmou, segundo o G1.

Embora o presidente da Câmara já tenha pautado matérias que não são do interesse do governo e anunciado a criação de duas CPIs que também desagradam o Planalto, Padilha disse acreditar que Cunha se pautará pelos "interesses da nação".

Padilha também tentou amenizar o tom das críticas feitas pelo presidente do Senado,Renan Calheiros (PMDB-AL), com relação ao ajuste fiscal. Padilha ressaltou que o parlamentar é aliado do governo e “aponta caminhos que fazem o governo refletir”.

“Os aliados não estão proibidos de fazer críticas. O governo tem que ter humildade e sensibilidade de acolher essas críticas e dialogar com esse parceiro. As críticas dele têm que ser vistas como contribuições, ele aponta caminhos que fazem o governo refletir. É normal no campo da política que um aliado faça críticas, o que tem que ser interpretado como contribuição”.

(Com Agência Brasil)