NOTÍCIAS
16/07/2015 12:29 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Uber Love Day: Aplicativo isenta usuários de Belo Horizonte de paga corridas em resposta aos conflitos violentos com taxistas

Reprodução Twitter

O aplicativo Uber de carona paga está no centro de um caloroso debate com os taxistas no Brasil. Em Belo Horizonte, os conflitos se intensificaram com casos de violência e perseguições no início deste mês. Em resposta, o Uber lançou nesta quinta-feira (16) a campanha #UberLoveDay, que isenta o usuário de pagar corridas até R$ 50.

Quando o usuário abre o aplicativo para utilizá-lo na capital mineira, aparece a mensagem:

O usuário pode realizar até três viagens que não ultrapassem R$ 50, das 11h até às 17h em Belo Horizonte. "A ação de hoje é nossa resposta contra violência. Acreditamos que mais amor, transparência e uma experiência fantástica de mobilidade podem fazer uma cidade melhor", explica o aplicativo.

Segundo o jornal Estado de Minas, o presidente do Sindicato Intermunicipal dos Condutores Autônomos de Veículos Rodoviários (Sincavir), Ricardo Luiz Faedda, vê ilegalidade na atividade do Uber e, por isso, a ação configura concorrência desleal. Ainda de acordo com o jornal, a BHTrans disse que não vai comentar a ação do Uber.

Nas redes sociais, os usuários elogiam a atitude da empresa:

Vai ter Uber em São Paulo, SIM

A briga entre taxistas e motoristas do app se estende também por São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

O Tribunal de Justiça de São Paulo negou o pedido de suspensão de funcionamento do Uber, que havia sido feito pelos taxistas do estado. Eles reclamam que o aplicativo fornece serviços “de modo clandestino e ilegal”, o que promoveria concorrência desleal.

Para a desembargadora Silvia Rocha, o processo ainda está no início, o que dificulta identificar possíveis riscos de “dano irreparável ou de difícil reparação” devido ao funcionamento do aplicativo.

“Embora a utilização de táxis tenha diminuído em algumas cidades do mundo, em função do Uber e de outros softwares semelhantes, afirmar que em São Paulo ocorrerá idêntico fenômeno é, por ora, fazer mera suposição. O uso do dispositivo, em maior ou menor escala, depende de inúmeros fatores, especialmente das características do sistema de transportes de cada lugar e de aspectos culturais, sociais e econômicos”, defendeu a magistrada.

(Com informações Agência Brasil)

.