NOTÍCIAS
12/07/2015 11:15 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:40 -02

Zona do euro volta a discutir futuro grego; cúpula da UE é cancelada

Christian Hartmann/Reuters

O Conselho Europeu cancelou neste domingo a reunião entre os 28 países-membros da União Europeia que discutiria a situação da Grécia. Foi mantida, contudo, a reunião de ministros da Fazenda dos 19 países que integram a zona do euro. Dessa forma, as tratativas por um consenso em relação ao futuro grego chegam ao segundo dia - e o clima de desconfiança em relação ao comprometimento de Atenas torna a possibilidade de acordo cada vez mais difícil.

O governo grego apresentou um conjunto de planos de reforma para atender às condições de um empréstimo, mas os ministros disseram que as propostas não vão longe o suficiente. Fontes ouvidas pela agência Reuters afirmam que os países da zona do euro querem que a Grécia ofereça ações adicionais e garantias de implementação das medidas de austeridade.

De acordo com o site do diário Frankfurter Allgemeine Zeitung, o ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, propôs à Grécia que deixe a zona do euro por cinco anos como forma de solucionar a atual crise do país. A alternativa apresentada pelo Ministério comandado por Shäuble, segundo o jornal alemão, seria o governo grego melhorar rapidamente sua última proposta, o que incluiria a transferência de bens no valor de 50 bilhões de euros a uma agência fiduciária para que servissem de garantia ao pagamento de novos créditos.

O ministro da Fazenda da Itália, Pietro Carlo Padoan, afirmou que se espera do governo grego que adote, a partir de segunda-feira, medidas que sirvam em primeiro lugar aos gregos e depois para reconquistar a confiança. "Falemos francamente, o maior obstáculo para o acordo é a ausência de confiança", frisou.

Pela manhã, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, anunciou o cancelamento da cúpula de chefes de estado e de governo da União Europeia. "A cúpula do euro vai durar até que concluamos as discussões sobre a Grécia", afirmou Tusk, que tomou a decisão após conversar com o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, sobre o resultado da reunião de ontem. O encontro terminou sem um acordo que permitisse dar o sinal verde às instituições credoras para começar a negociar um terceiro pacote de ajuda financeira à Grécia.

(Com agências EFE e Reuters)