NOTÍCIAS
10/07/2015 14:53 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:40 -02

O problema dos pesticidas para maconha nos EUA: ninguém sabe usar

Shutterstock / pashabo

Não precisamos nem dizer que cultivar maconha é bem diferente de cuidar de outras plantas. Tipo, não vemos por aí muitos casos de fazendeiros que perdem o sono com a ameaça de adolescentes que entram de mansinho em seus terrenos para pegar punhados de couve orgânica. Mas tem uma área que a diferença entre cannabis e outras plantas é ainda mais forte: a dos pesticidas. E essa disparidade vem incomodando uma série de produtores e consumidores.

Em todas as plantações, hum, convencionais dos EUA, as substâncias químicas utilizadas (como pesticidas, herbicidas e fungicidas) são monitoradas de modo cuidadoso pelo Departamento de Agricultura e pela Agência de Proteção do Meio-Ambiente (EPA, sigla em inglês). Há limites diferentes definidos sobre qual tipo de pesticida pode ser usado e o que é considerado um nível aceitável de substâncias químicas numa safra.

Pelo fato da maconha ainda ser ilegal no âmbito federal, não há protocolos para pesticidas quando o assunto é cultivar erva. Na opinião do governo americano, não se deve usar pesticida nenhum no cannabis porque, para começo de conversa, cannabis não deve nem ser cultivado.

Isso deixa os cultivadores com recursos limitados para tentar determinar a melhor maneira de manter seu plantio saudável e seus consumidores seguros.

"Até muito recentemente, era como o Velho Oeste: todo mundo usava o que queria de qualquer coisa que ouvissem falar na internet", diz Whitney Cranshaw, uma professora de entomologia na Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, que estuda administração de pestes em plantações. "Alguns eram apropriados, outros não, mas não havia orientação dos federais, nem do estado, nem de ninguém. Eles simplesmente faziam o que achavam que era certo."

Recentemente, os estados americanos que autorizam plantar e vender maconha medicinal ou recreativa começaram a bolar recomendações para os cultivadores. Em maio, o Departamento de Agricultura do Colorado lançou uma lista de pesticidas e fungicidas que os cultivadores de cannabis podem usar. O estado de Washington seguiu os passos no início desse mês. Mas as listas são limitadas — focam majoritariamente em pesticidas naturais, como óleo de canela e alho — e não proporcionam muitas informações sobre os potenciais efeitos a longo prazo de pesticidas sintéticos numa planta que pode ser ingerida e inalada.

[Continue lendo aqui]

LEIA MAIS:

- Alterações climáticas estão deixando a maconha mais forte

- Truvada: O medicamento que pode revolucionar a história da AIDS e está causando processos contra o SUS