COMPORTAMENTO
08/07/2015 15:17 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:38 -02

Realizei meu fetiche: ser garoto de programa e ganhar uma grana

Flávio Teperman/VICE

Eu tinha uns 15 anos quando assisti ao filme Garotos de Programa, do cineasta Gus Van Sant, estrelado pelos atores Keanu Reeves e River Phoenix em 1991. Essa foi a primeira vez que um assunto chamou minha atenção: a vida de garotos de programa. Não sei muito bem se foi o enredo, a direção, a trilha sonora, a excentricidade dos personagens ou meu lado puto mesmo, mas sei que enquanto meus amigos queriam ser O Exterminador do Futuro, eu já almejava uma vida com sexo, psicotrópicos e festas.

Seja sincero, aproveite que ninguém está olhando e responda: você já pensou na possibilidade de ganhar a vida transando com desconhecidos ou fazer isso apenas ocasionalmente? Digo "desconhecidos" porque um amigo dificilmente iria querer pagar para gozar com você. Isso poderia comprometer suas relações e o ser humano raramente consegue separar sexo de negócios ou sexo de amizade. Se dois amigos transam é porque estão bêbados ou são jovens demais para refletirem sobre o assunto.

Antes que alguém me pergunte, não, eu nunca paguei para transar com um garoto ou garota de programa. Talvez eu seja conservador demais para isso, acabaria broxando e ainda constrangido após ter que pagar pelo “serviço” incompleto devido à minha falta de gerenciamento sexual e psicológico. Foi aí que percebi que meu fetiche não era contratar um GP, mas sim, ser um garoto de programa pelo menos uma vez na vida.

Salas de bate-papo virtuais, ruas, saunas, sites relacionados ao tema... onde eu faria este freela como GP? Depois de tanto ouvir de todo mundo que fazer ponto nas ruas não seria a melhor opção – “Cara, você vai acabar apanhando ou levando uma facada” – acabei desistindo dessa hipótese.

Você pode nunca ter pensado nisso, mas em seu colégio, faculdade, trabalho, vizinhança ou família, pode ter alguém que já tenha feito ou ainda faça programas. Mas não seja ingênuo ao imaginar que prostituição é somente o simples ato da troca de sexo por dinheiro. Há quem transe para manter o emprego, descolar VIPs ou drinks na balada e até para segurar um casamento. Quem nunca fingiu um orgasmo?

[Continue lendo aqui]

LEIA MAIS:

- Adolescentes japoneses estão viciados em vídeos de 'selfie do beijo'

- Coisas que as pessoas deixam para trás em provadores