NOTÍCIAS
06/07/2015 23:03 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:38 -02

MP do futebol: Câmara decide mais um capítulo da crise na CBF

Montagem/Agência Brasil/Câmara dos Deputados

A crise da Confederação Brasileira de Futebol(CBF), aberta com o escândalo da Fifa, pode ganhar mais um capítulo nesta terça-feira (7). Está na pauta da Câmara dos Deputados a votação da medida provisória que renegocia as dívidas dos clubes, estimadas em R$ 4 bilhões.

A CBF tem feito lobby contrário à proposta. A entidade não concorda com o fato de ter federações e confederações terem que dar contrapartidas nem com as intromissões no processo eleitoral. O diretor financeiro e de planejamento estratégico da CBF, Rogério Caboclo, tem argumentado que a medida é inconstitucional.

O impasse tem feito com que os clubes favoráveis ao texto desconfiem que o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não coloque o texto na pauta até que a divergência seja sanada.

O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, entretanto, faz um apelo para que o acordo seja cumprido e pede aos torcedores que vigiem os votos dos deputados “para ver quem está com o futebol e quem está com a CBF".

"Acordo é acordo. Gostaria de fazer um apelo a Eduardo Cunha. Ele diz que quer atender os interesses dos clubes. O apelo é para que seja votado e cada deputado possa mostrar sua cara. Essa é uma excelente possibilidade para se dar um ponto de partida para melhorar o futebol", disse Mello ao Uol Esporte.

Ele reconhece que a proposta não resolve todos os problemas. “Mas é muito importante. Se isso acontecer, se conseguimos aprovar a MP, vamos dar um pequeno passo, será o 7 a 2, vamos dizer assim. Depois, conseguimos o 7 a 3, depois o 7 a 4, até conseguir empatar e virar esse jogo. Se não passar, será o 8 a 1, o 9 a 1, e aí por diante”, reiterou o presidente do Flamengo à ESPN.

Medida

Enquanto a MP original previa o rebaixamento para a divisão inferior ou a proibição de participar do próximo campeonato como penalidades pelo descumprimento das regras de gestão transparente, o texto do relator modifica essas penalidades.

Ele manteve apenas a proibição de contratações de jogadores como penalidade que pode ser aplicada pelas federações e confederação contra o clube que descumprir as regras de gestão.

Além disso, o relatório cria uma nova loteria federal instantânea, na forma de raspadinha, em parceria com a Caixa Econômica Federal. Parte dos recursos arrecadados com a loteria deverá ser destinada aos clubes, com a condição de que eles usem a verba para investir nas categorias de base e subsidiar ingressos a preços populares.

Para não perder a validade, a MP precisa ser aprovada e sancionada pela presidente até o próximo dia 17.

(Com Agência Câmara)