NOTÍCIAS
05/07/2015 09:42 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:34 -02

Marinalva Dantas: a história da auditora fiscal do trabalho que libertou 2.354 pessoas da escravidão em pleno século XXI

Fátima Melo/Divulgação

Vamos falar a verdade: para a maioria das pessoas, o mundo do trabalho é uma pedra no sapato. Acorda-se, bate-se o ponto, trabalha-se e volta-se para casa geralmente com o sentimento de que aquilo tudo não faz muito sentido.

Poucos têm a sorte de encontrar no seu ofício uma missão de vida. Marinalva Cardoso Dantas, paraibana de 61 anos, encontrou.

Marinalva é auditora fiscal do trabalho. Seu "job description" é libertar aqueles cujo trabalho não pode ser classificado simplesmente como "chato", mas sim como desumano, cruel, completamente insalubre e, pior... Inescapável.

Segundo a ONG Walk Free, ainda há 155,3 mil escravos em nosso país. A estimativa é seis vezes maior do que o número assumido pela Organização Internacional do Trabalho. De acordo com um relatório técnico da OIT para o Brasil, temos 25 mil pessoas em "condições análogas à escravidão", concentradas principalmente nos estados do Pará e do Mato Grosso.

Com seu trabalho, narrado no livro A Dama da Liberdade, de Klester Cavalcanti, Marinalva conseguiu devolver a 2.354 pessoas as rédeas da própria vida. Ela integra uma das bravas equipes da Móvel, grupo do Ministério do Trabalho responsável por correr a estrada à procura de escravocratas.

A maior parte desses escravos é composta por analfabetos, cooptados por falsos empregadores que os levam a usinas de cana, madeireiras, fazendas de gado e carvoarias. Longe, muito longe das cidades de onde vieram, esses trabalhadores já chegam nas fazendas devendo o transporte da viagem. Obrigados a saldar a dívida que só cresce, ficam lá por décadas e décadas, até esquecerem quem são.

O livro descreve o nascimento da escravidão:

A receita é simples: tudo o que o lavrador precisa comprar para viver e para trabalhar – calçados, ferramentas, comida – é vendido pelo empregador, que mantém uma mercearia na própria fazenda. Sem liberdade de sair para outros lugares e isolados geograficamente – o supermercado mais próximo sempre fica a dezenas de quilômetros de distância –, não resta outra alternativa aos trabalhadores a não ser comprar o que precisam das mãos do homem que os explora. Invariavelmente, os produtos são vendidos a preços duas ou até três vezes acima do valor de mercado.

São esses braços, que trabalham durante décadas sem receber um centavo, bebendo água suja, dormindo em lonas, comendo carne estragada, que sustentam a riqueza dos grandes fazendeiros, donos de aviões particulares e casas em Miami.

Um dos problemas mais recorrentes dos escravos é a qualidade da água

No livro, Marinalva relata algumas das operações que fez pelos grotões do Brasil. A maior parte segue um script: sempre a partir de uma denúncia de algum fugitivo que tem coragem de abrir a boca, a equipe de auditores se embrenha, acompanhada pela Polícia Federal, em latifúndios cujo tamanho supera, muitas vezes, o de cidades inteiras.

Apreendem as cadernetas onde são anotadas as dívidas dos escravos, armas usadas para manter os cativos na linha e documentos de trabalhadores que ficam de posse do fazendeiro.

A primeira operação relatada pelo livro, aconteceu na fazenda Macaúba, em Marabá, no sudeste do Pará. Três semanas antes da operação, três auditores fiscais do trabalho haviam sido assassinados no município de Unaí, em Minas Gerais, o que tornou tudo mais assustador.

Marinalva conta como livrou 52 brasileiros que trabalhavam 15 horas diárias sem equipamento de proteção, bebiam água junto dos animais, faziam as necessidades na selva e comiam restos de carne que ficavam ao relento. Dois deles eram adolescentes de 14 e 16 anos, e uma menina de 11 anos.

A garota, Domingas dos Santos, trabalhava na fazenda como doméstica e babá do filho da cozinheira, Danúbia Barbosa – a adolescente de 16 anos. Quando chegou ao barraco da cozinheira, Marinalva viu uma cena que a deixou tão emocionada quanto indignada. Domingas caminhava de um lado a outro, sobre o chão de terra batida, com um bebê de 2 anos no colo. Deparar com um bebê vivendo naquelas condições doeu-lhe ainda mais. Que futuro poderiam ter? Aos 11 anos, Domingas já havia sido tragada pelo mundo da escravidão contemporânea. E o bebê de 2 anos parecia fadado ao mesmo destino.

Em outra operação, na Fazenda Cabaceiras, também em Marabá, encontrou trabalhadores em situação aviltante. É o caso de Pedro de Souza, um senhor de 74 anos que, sem saber que já poderia estar aposentado desde os 65, recebendo um salário mínimo do governo, continuava a trabalhar em condições desumanas.

De cabelos brancos e rosto coberto de rugas, tinha os dentes amarelados e tortos, com a arcada superior recuada, e a pele tostada pelo Sol amazônico. Ao ser informado de que seria libertado e não precisaria jamais passar por aquele sofrimento miserável, agarrou as mãos de Marinalva com um quase desespero. E chorou. De alívio e alegria. As lágrimas escorriam lentamente por suas rugas profundas. Só conseguia dizer duas palavras: “Obrigado, doutora! Obrigado, doutora!”. A auditora chegou a sentir os olhos lacrimejando, mas se conteve. Não queria demonstrar suas emoções naquele ambiente tão indigno.

Escravos socorridos em 2002 no sul do Pará

Em Maceió, viu 2.500 homens, mulheres e crianças, serem mantidos feito gado. Todo dia, depois do pôr do sol, os escravos eram "guardados" em barracões trancados por fora com correntes e cadeados. Passavam a noite sem água e sem banheiro. A fazenda era quase um campo de concentração: tinha arame-farpado e guaritas com homens armados 24 horas por dia. A explicação dos capangas? "A gente tranca eles pra não ter risco de roubarem a TV da fazenda", mentiu.

Ao longo da carreira, Marinalva acumulou narrativas de barbárie. Surras com pedaços de pau, talhos de facão, unhas arrancadas com alicate, privação de comida, estupros, assassinatos. Enfrentou um prefeito escravocrata, acusado de serrar um homem ao meio. Viu um escravo relatar, envergonhado, ter apanhado por pedir água limpa para beber.

Vilmar Ferreira, trabalhador obrigado a trabalhar em uma fazenda no Pará, no dia de sua libertação, em 2001. Ele apanhou por ter pedido água limpa para beber, já que precisava se hidratar em um córrego de água lodosa e amarelada.

Poderia ter sido ela

Marinalva poderia ter se tornado uma das vítimas do sistema que combatia. Nasceu em Campina Grande, na Paraíba.

Sua infância poderia ter sido um pouco menos dura se o pai, Joaquim, motorista de ônibus, não mantivesse duas famílias. Viviam em um barraco dividido por cortinas, sem água encanada e nem energia elétrica.

Ironicamente, a água suja foi o que lhe salvou. Aos 3 anos, Marinalva pegou lombrigas. Seu pai achou por bem mandá-la para a casa da tia, Otília, que morava em Caicó, no Rio Grande do Norte.

Otília, que era casada com um empresário de relativo sucesso, levou Marinalva ao médico e deu-lhe os primeiros presentes que ganhou na vida: um brinquinho de ouro e um vestido.

Marinalva ficou com Otília e, graças à Ascaris lumbricoides teve uma vida que seus irmãos nunca poderiam ter. Estudou nos melhores colégios, foi a museus, teatro, cinema.

Formou-se em Direito na Universidade Federal do Rio Grande do Norte e foi aprovada no concurso para auditora fiscal do Trabalho em 1984. Começou no combate ao trabalho infantil, e sua atuação foi ganhando força até que, em 1993, foi nomeada Chefe da Fiscalização no Rio Grande do Norte.

Em 1995, foi convidada a participar de um novo grupo que estava em formação no governo Fernando Henrique, o Grupo Especial de Fiscalização Móvel do Ministério do Trabalho. A unidade, que já libertou cerca de 50 mil pessoas, chegou a ter nove equipes mas, hoje, se resume a quatro.

Vida em família

A dedicação total de Marinalva à carreira acabou por desmoronar sua vida pessoal. Marinalva viu seu casamento ruir, os filhos se distanciarem e sua Síndrome do Pânico, diagnosticada em 1988, lhe tirar o controle várias vezes.

Desde que havia entrado para a Móvel, em 1995, as queixas do marido por suas longas viagens, se tornaram cada vez mais frequentes.

Até hoje, Marinalva diz que seu casamento com Joel, também auditor fiscal, foi um dos dias mais felizes de sua vida.

Os filhos tinham raiva do trabalho da mãe, e não queriam nem ouvir as excitantes histórias que Marinalva tinha ansiedade de contar após uma longa viagem.

Essa deterioração do ambiente familiar tornava a presença em casa insuportável. Até que, em 6 de janeiro de 2000, seu casamento acabou. Ainda assim, nunca deixou de sentir que todo aquele sacrifício valia a pena.

Com o tempo, recuperou o relacionamento com os filhos, que hoje têm o maior orgulho da mãe heroína.

Por pressão política, Marinalva teve de deixar a Móvel e hoje coordena a área de erradicação do trabalho infantil do Rio Grande do Norte. Mas ter libertado 2.354 pessoas do cativeiro não lhe parece, ainda, suficiente.

Diz que seu sonho é procurar, procurar, e não encontrar um só escravo. Ainda luta por isso.

A capa do livro A Dama da Liberdade, escrito pelo jornalista e escritor Klester Cavalcanti