Comportamento

Mulheres estão entediadas com parceiros e são mais abertas a experimentações sexuais

Fotografía e Iluminación: Gabriel DelgadoModelos: Alejandra y Onassis
Fotografía e Iluminación: Gabriel DelgadoModelos: Alejandra y Onassis

As mulheres são mais abertas a experimentações sexuais e é muito mais provável elas compartilharem fantasias em conversas explícitas durante o sexo, de acordo com uma nova pesquisa realizada pelo site Good in Bed.

A pesquisa online entrevistou 1.418 homens e 1.923 mulheres que estavam em um relacionamento e descobriu também que as mulheres relataram estar significativamente mais entediadas em seus relacionamentos do que os homens, e a fonte mais comum do tédio era a frequência de relações sexuais com o parceiro (43,7%). A maioria das entrevistadas (57,9%) queriam tentar algo novo sexualmente e disseram que esperavam apimentar sua vida amorosa e com isso revigorar a relação.

A descoberta do estudo parece sugerir que as mulheres estão mais interessadas em sexo e estão, mais do que nunca, empoderadas para pedir o que querem. Mas no início deste mês, um estudo sobre as mulheres na África sugeriu que mulheres dominadoras e assertivas tinham aproximadamente 100 vezes menos sexo do que as que tinham menos controle sobre as decisões domésticas.

Barbara e Shannon Kelley, que escrevem no HuffPost Women, disseram que os resultados do estudo africano não se aplicam necessariamente às mulheres ocidentais, e apontaram que os pesquisadores, que realizaram esse estudo, disseram que nos países africanos examinados o sexo menos frequente entre as mulheres mais poderosas do grupo pode não ser consequência de uma queda no desejo masculino por elas, mas que as mulheres mais empoderadas são mais capazes de proteger os seus direitos sexuais.

"O que nos irrita", disseram as jornalistas, "é a forma como tais resultados são mostrados em algumas partes do mundo", como se as mulheres estivessem menos interessadas em sexo do que os homens, quando um estudo recente afirma que mais igualdade de gênero, na verdade, aumenta a quantidade de sexo que as pessoas têm.

O retrato do desejo sexual feminino como defasado não é nada novo. Um estudo frequentemente citado, realizado nas faculdades nos anos 70 e 80, mostrou que mulheres recusavam fazer sexo, mais do que os homens, quando eram abordadas por estranhos na rua, levando os diretores do estudo a concordarem com o estereótipo cultural que "os homens estão sempre prontos para o sexo; são as mulheres que definem limites", embora aceitar um convite de um estranho seja sem dúvida perigoso e imprudente.

O diretor da pesquisa da Good in Bed, Kristen Mark, disse, em um comunicado, que os resultados de seu estudo refutam essa noção: "As mulheres têm, por tanto tempo, sido definidas em nossa sociedade como puritanas, restringindo a expressão sexual de seus parceiros masculinos, que eu acho que esta pesquisa mostra, em nossa amostra de mulheres, que isso simplesmente não é assim".

(Tradução: Simone Palma)

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.