NOTÍCIAS
03/07/2015 14:17 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:38 -02

Preocupado com a queda do movimento de turistas na Tunísia, jovem cria campanha impactante para estimular o setor

Reprodução/Facebook

Você viajaria para a Tunísia? E para Nova York? E para Londres? E para Paris?

E o que todos esses lugares têm em comum? Todos eles já foram palcos de ataques terroristas.

Preocupado com a queda do turismo na Tunísia após os atentados da semana passada, Selim Ben Hadj Yahia resolveu criar uma campanha impactante para tentar evitar a queda abrupta do movimento de turistas no país. O setor é responsável por mais de 7% do PIB do país e que emprega cerca de 10% da força de trabalho tunisiana.

Diretor de uma agência de comunicação na Tunísia, Yahia lançou cartazes "provocadores" em seu Facebook.

"Como eu posso ajudar, ainda que só um pouco, meu país que está morrendo? Eu imediatamente pensei em 'comunicação de crise'", contou ele.

Ele escolheu então quatro imagens bem emblemáticas para lançar a pergunta para potenciais turistas do país: "Você deixaria de ir para Nova York?", diz o cartaz que estampa uma foto dos atentados de 11 de setembro . Na semana passada, um atirador matou 38 pessoas na praia de Sousse, um destino popular para europeus que visitam a Tunísia.

Ao BuzzFeed, ele disse que queria passar duas mensagens com a campanha: a primeira é de que os turistas devem, sim, voltar à Tunísia, pois o país não é uma zona de guerra. E a segunda, é que o país é uma terra pacífica, que precisa de apoio.

"Cesseriez-vous de visiter New York?Soutenez la Tunisie, terre de paix. "-------Chers amis,Après la tristesse et le...

Posted by Selim Ben Hadj Yahia on Domingo, 28 de junio de 2015

"Cesseriez-vous de visiter Londres?Soutenez la Tunisie, terre de paix. "-------Chers amis,Après la tristesse et le...

Posted by Selim Ben Hadj Yahia on Domingo, 28 de junio de 2015

"Cesseriez-vous de visiter Paris?Soutenez la Tunisie, terre de paix. "------- Chers amis,Après la tristesse et le...

Posted by Selim Ben Hadj Yahia on Domingo, 28 de junio de 2015