NOTÍCIAS
03/07/2015 08:25 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:38 -02

Lei aprovada na Câmara permite à Universal legalizar Templo de Salomão em São Paulo

Montagem/Estadão Conteúdo

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou na quinta-feira (2) projeto de lei que determina que empresas que construíram empreendimentos imobiliários em áreas de interesse social terão de doar terreno ou lotes na região da mesma subprefeitura onde está a edificação.

Foram 39 votos a favor e 3 contra - José Police Neto (PSD), Toninho Vespoli (Psol) e Patrícia Bezerra (PSDB) não concordaram com a proposta. O projeto é do governo municipal. A lei, que depende ainda da sanção do prefeito Fernando Haddad (PT), vale para obras construídas entre 2004 e 2014.

A aprovação - já em segunda votação - beneficia diretamente o Templo de Salomão, da Igreja Universal do Reino de Deus. Parte do templo, que tem 74 mil m2 de área construída e fica no Brás, foi edificada em área de Zeis.

“Isso vale para aqueles que estavam irregulares, não é ideia de uma anistia, mas sim para resolver casos pontuais. O projeto também acaba por estabelecer a possibilidade de construção de mais HIS em áreas de que não eram de ZEIS, o que aumenta a construção de interesse social na cidade de São Paulo”, explicou o vereador Paulo Fiorilo (PT).

Durante as negociações com a Prefeitura, a direção da igreja ofereceu um terreno no Tatuapé como compensação.

LEIA TAMBÉM

- Vereadores de SP aprovam a criação de mais 660 cargos sem concurso

- Twitter da Igreja Universal é invadido e espalha mensagens a favor dos gays

- Deputado trocava ‘benção' de documentos por criação de cargos fantasmas, diz MP-PR

- Igreja Universal realiza culto em São Paulo para ‘revelar' que terremotos no Nepal são sinais do apocalipse

- Igreja Universal cria grupo conhecido como Gladiadores do Altar, o seu ‘Exército fundamentalista' (VÍDEOS)