MULHERES
30/06/2015 22:48 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:34 -02

Serena Williams: 'Tive que fazer as pazes com o meu corpo e me amar'

Dan Istitene via Getty Images
PARIS, FRANCE - JUNE 06: Serena Williams of the United States celebrates a point during the Women's Singles Final against Lucie Safarova of Czech Repbulic on day fourteen of the 2015 French Open at Roland Garros on June 6, 2015 in Paris, France. (Photo by Dan Istitene/Getty Images)

Serena Williams é a melhor jogadora de tênis que existe. Ela ganhou o Aberto da França no início deste mês, acumulando 20 títulos Grand Slam - um feito verdadeiramente incrível. O único número que ela está perseguindo agora é o de 22 Grand Slams, recorde da grande (e já aposentada) Steffi Graf, na Era Aberta.

Mas ter a capacidade atlética de uma super-heroína desde pequena não a protegeu de sofrer com muitas questões associadas ao seu corpo. Ela cresceu comparando o seu ao de sua irmã mais velha, Venus.

"Não foi muito fácil, isso de crescer", disse Williams em entrevista ao The Huffington Post. "Venus parecia uma modelo. Eu era mais fortinha."

As irmãs têm um pouco mais de um ano de diferença e Serena disse que ela sempre se sentiu diferente em quadra por causa de seu corpo.

"A maioria das atletas são bem magras. Eu realmente não sabia como lidar com isso. Eu tive que fazer as pazes com o meu corpo - como toda adolescente e toda pessoa adulta faz - e me amar. Eu tive que me espelhar em outros modelos. Mas o meu tipo de corpo está na moda agora, então estou adorando!"

#Vogue http://vogue.cm/19bOeLg

A photo posted by Serena Williams (@serenawilliams) on

Seu relacionamento com seu corpo foi testado de outras formas também. Qualquer atleta profissional diria que as lesões fazem parte do jogo, mas as irmãs Williams são conhecidas por manterem segredo sobre seus problemas.

Em 2010, depois de Serena ter sido vista andando com uma bota no pé, Venus disse: "Tradicionalmente não falamos muito sobre nossas lesões - não precisamos que ninguém sinta pena de nós." Serena não falou sobre a causa da lesão durante meses, e mais tarde disse que ela teria pisado em vidro.

Mas agora, cinco anos depois, Serena revelou que tinha sido uma lesão assustadora e, de longe, a pior. "Cortei meu pé. Eu não sei como. Algo caiu em cima dele e cortou meu tendão ao meio. Eu tive que fazer duas cirurgias. No processo, eu tive um coágulo nos pulmões e quase morri. Foi um período realmente difícil para mim", disse a atleta.

Recuperar-se de uma lesão como essa não é fácil. Williams comparou isso a dor de ter o coração partido.

"Você se preocupa com isso. Você se preocupa a toda hora. É como a dor de um coração partido - o primeiro par de meses é muito doloroso e, eventualmente, some", disse ela. "Mas todos os dias eu ficava um pouco mais forte, todos os dias eu trabalhava mais e, uma hora, eu parei de me lembrar."

Sua recuperação marcou o início de uma conexão e uma valorização mais profunda com seu corpo. "Isso me deu uma nova perspectiva sobre a minha vida. Percebi que há tantas coisas que são muito mais importantes. Eu não sei se eu precisava disso - mas talvez eu precisasse. E por causa disso, eu posso ter uma carreira melhor e apreciar mais as minhas vitórias."

Ter perspectiva é algo que vem com a idade. Mas também com a experiência.

Em 2001, as irmãs Williams jogaram no prestigiado torneio de Indian Wells. Foi uma experiência horrível. Insultos raciais foram ouvidos das arquibancadas; vaias deram voltas na quadra. Serena tinha 19 anos.

Depois de boicotar o torneio nos últimos 14 anos, Williams regressou em março deste ano. Ela anunciou pela primeira vez seus planos de competir no torneio em um ensaio eloquente para a Revista TIME.

"Tem sido difícil para mim esquecer que passei horas chorando nos vestiários de Indian Wells depois de vencer em 2001", escreveu. "Dirigir de volta para Los Angeles e sentir como se eu tivesse perdido o maior jogo da minha vida - não um jogo de tênis qualquer, mas uma luta maior pela igualdade".

Durante vários anos Williams pensou sobre Indian Wells como algo inacabado. O torneio ocupa um lugar especial em seu coração, porque lá ela ganhou seu primeiro jogo em 1997, mas o fracasso de 2001 foi um dos piores momentos da sua carreira.

"Foi o momento certo", disse Williams ao HuffPost sobre sua decisão de voltar este ano. "Eu estava indo muito bem na minha carreira e senti como se tivesse conseguido muito. Eu comecei a ganhar mais e chegar a determinados números. Perguntava a mim mesma, 'o que eu quero fazer? O que está faltando?"

Ela disse que Indian Wells foi um capítulo que ela queria encerrar – mesmo se o resultado fosse positivo ou negativo. "Havia algo ali que eu queria enfrentar; que eu queria vencer", disse ela. "Há muitas coisas que nós, americanos, temos que lidar, especialmente agora. Eu sinto que é hora de vestir a camisa. Não só por mim, por todos".

Apesar de Williams ter ferido o joelho e ter saído na semifinal do torneio de Indian Wells, ela disse que a experiência foi totalmente diferente do pesadelo de 2001."O esporte mudou. Eu sinto que as pessoas mudaram ", disse.

"Eu estava em um posto de gasolina, em Indian Wells, e um pai de família veio até mim e disse: 'meu filho adora você'". Seu filho tinha 11 anos. Eu pensei que máximo. Esta é uma pequena pessoa que tem uma vida pela frente, está na escola e tem amigos e ele é um fã. Eu perdi 14 anos para chegar aqui. Foi aí que eu soube que tinha tomado a decisão certa."

Williams diz que ela aprendeu com sua mãe a amar e perdoar. Em seu ensaio para a TIME, ela incluiu uma citação da Bíblia. "Quando estiverdes orando, perdoai o que você tem contra alguém, para que vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe" (Marcos 11:25).

Ela reza e lê a Bíblia às vezes. "Não o suficiente", disse ela. "Eu definitivamente oro e, logo, tento ter um relacionamento com Deus e continuo dali."

Sua relação com Deus faz parte do seu jogo tanto quanto faz parte da sua vida.

"Fisicamente você precisa ser grande, emocionalmente você precisa ser estável e eu preciso ter uma boa conexão com a minha espiritualidade. Quando eu tenho essas três coisas juntas, eu me sinto bem e me dou bem", disse ela.

Williams está aprendendo estas lições universais com a MasterClass - uma plataforma online para estudantes de todos os níveis que querem aprender com os grandes. Williams dá aulas de tênis, Usher de desempenho, Dustin Hoffman de atuação e Annie Leibovitz a arte da fotografia.

"O que eu mais gosto sobre minhas aulas é que elas não são apenas sobre tênis. Elas são sobre a vida", disse Williams. "Você pode estar por baixo, mas você pode superar as coisas pela forma como você pensa e como você define o seu estado de espírito."

(Tradução Simone Palma)

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- Teliana Pereria: A melhor brasileira no ranking feminino de tênis (FOTOS)

- 6 mandamentos das pessoas felizes com o próprio corpo

- Ela desenhou o corpo ideal de acordo com críticas - e provou que ele não existe (VÍDEO)