NOTÍCIAS
26/06/2015 09:57 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:34 -02

Líderes europeus vão receber 40 mil refugiados da Síria e da Eritreia sem cotas obrigatórias

JEAN-CHRISTOPHE MAGNENET via Getty Images
Migrants pray on the eve of the start of the Muslim holy fasting month of Ramandan, in Ventimiglia, Italy, near the French border, on June 17, 2015. More than 1.5 billion Muslims around the world will mark the month, during which believers abstain from eating, drinking, smoking and having sex from dawn until sunset. AFP PHOTO / JEAN CHRISTOPHE MAGNENET (Photo credit should read JEAN-CHRISTOPHE MAGNENET/AFP/Getty Images)

Os chefes de Estado e de Governo dos 28 países da União Europeia (UE) concordaram repartir entre si os 40 mil refugiados da Síria e Eritreia, nos próximos dois anos, mas com base em cotas voluntárias.

Segundo o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, os líderes europeus tiveram uma longa discussão sobre a estratégia para lidar com os migrantes que tentam chegar à Europa.

A proposta da Comissão Europeia era de quotas obrigatórias, segundo a qual cada país teria de acolher um número previamente definido de migrantes. O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, interveio criticando a proposta. "Ou vocês estão solidários ou não nos façam perder o nosso tempo", afirmou perante os colegas europeus.

Além da Itália, também Hungria, Polônia e Grécia se posicionaram do lado das críticas aos países mais reticentes em mostrar solidariedade com aqueles que têm de fazer face à chegada em larga escala de migrantes que atravessam o Mediterrâneo à procura de uma vida melhor na Europa.

O método de repartição dos migrantes será agora discutido e decidido em julho pelos ministros do Interior, anunciou Donald Tusk. Fonte diplomática indicou que a posição do governo português é que deve haver efetivamente solidariedade, mas é necessário negociar a ponderação dos critérios para a atribuição de quotas.

De acordo com a proposta da Comissão Europeia apresentada em maio o número de refugiados a acolher por país é determinado com base no Produto Interno Bruto, na população total e ainda na taxa de desemprego e nos refugiados.

Além dos 40 mil refugiados da Síria e da Eritreia, que a UE irá acolher nos próximos dois anos, serão ainda reinstalados 20 mil refugiados que estão fora da Europa em situações de emergência, sobretudo no norte e nordeste africano e no Médio Oriente, no total de 60 mil migrantes ao abrigo dos mecanismos hoje aprovados.

Mais de 100 mil pessoas entraram clandestinamente na União Europeia desde o início do ano pelo Mediterrâneo ou pela Turquia.

A reunião dos chefes de Estado durou 12 horas no primeiro dia de reunião e será retomada nesta sexta-feira (26).