NOTÍCIAS
25/06/2015 20:20 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:34 -02

Renan quer Dilma e ex-presidentes no debate da reforma política

Montagem/Estadão Conteúdo

Embora tenha assistido calada as discussões sobre a reforma política na Câmara dos Deputados, a presidente Dilma Rousseff se mostrou “entusiasmada" com a possibilidade de contribuir com os trabalhos do Senado Federal. A informação é do presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), que se reuniu nesta quinta-feira (25) com a mandatária.

A intenção de Renan é fazer com que os ex-presidentes se envolvam no debate e ajudem a tirar a proposta do papel. Ele diz saber que esta questão está mais ligada ao Legislativo, mas ressaltou que é importante acertar até aonde é possível ir com relação à mudança da Constituição, à mudança da legislação infraconstitucional.

"É preciso permanentemente conversar com o Judiciário e o Executivo. Eu acho que a causa do fracasso das tentativas de mudanças da política é porque nunca se envolveu, num esforço só, todos os poderes da República. Essa é uma oportunidade de fazê-lo."

Para o relator da reforma política na Câmara dos Deputados, deputado Marcelo Castro (PMDB-PI), a presidente assim como os ex-presidentes têm papel fundamental para puxar o debate político.

“Imagina o peso que Lula e Fernando Henrique têm para puxar uma reforma. Os dois, assim como a presidente, poderiam ajudar bastante a reforçar a importância de mudar o sistema político. É preciso que algo mais audacioso seja feito.”

Na avaliação do deputado, a presidente se omitiu do debate para não comprar mais uma briga. “A situação dela já era muito delicada e a reforma é algo que não tem consenso. O melhor que ela fez foi evitar partir para mais um ataque”, analisa.

Na campanha de reeleição, a presidente puxou a reforma como uma das suas principais bandeiras eleitorais. Ao saber que tinha sido reeleita, a presidente disse saber que estava sendo reconduzida à Presidência para fazer as grandes mudanças que a sociedade brasileira exige. "Dentre as reformas, a primeira e mais importante deve ser a reforma política."