NOTÍCIAS
25/06/2015 18:36 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:34 -02

Prova aplicada em escola estadual do Paraná pergunta se alunos são favoráveis ao 'impeachment de Beto Richa'

Montagem/Reprodução/Estadão Conteúdo

Uma prova de história aplicada aos alunos do Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos (CEEBJA) Ayrton Senna da Silva, em Almirante Tamandaré, na região metropolitana do Paraná, está rodando as redes sociais e chama a atenção por perguntas como "Por que o Beto Richa é contra a sociedade?" e "Você é a favor do impeachment de Beto Richa?"

Um dos professores responsáveis pela elaboração da prova, Jorge Antonio de Queiroz explicou que o exame foi feito com base em artigos escritos por ele mesmo no site Notícias de Jussara, onde mantém um blog. Para Queiroz, a veiculação da prova nas redes sociais foi feita de maneira "distorcida".

"Por exemplo, a pergunta 'Por que Beto Richa é contra a sociedade?' deveria ser respondida com base no texto 'Beto Richa contra a sociedade'", explica o professor.

Queiroz afirma que o objetivo era fomentar o senso crítico dos alunos. "Com uma pergunta que faz referência ao pedido de impeachment de Beto Richa, é possível fazer um paralelo com o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff ou o do ex-presidente Fernando Collor. É tudo ligado, partimos do presente para entender o passado."

Procurada pelo Brasil Post, a direção da escola disse não estar de acordo com a metodologia adotada pelos professores. A diretora do centro educacional, Vera Lucia dos Reis, afirmou fará uma reunião de conselho com os professores para discutir o caso.

De acordo com Reis, o resultado do encontro será repassado nesta sexta-feira (26) ao Núcleo Regional de Educação da Área Metropolitana Norte, responsável por intermediar as instituições estaduais de ensino e a Secretaria da Educação.

Por meio de nota, a Secretaria da Educação do Estado afirmou que "a situação já foi averiguada e que está tomando providências junto ao Núcleo Jurídico."

A Secretaria de Estado da Educação tem sido informada que em algumas escolas da rede pública os alunos estão recebendo informações de caráter doutrinário e político. Conforme reclamações que chegam à Secretaria, alguns professores que fizeram greve estão insuflando crianças e adolescentes contra o governo do Estado. A orientação é que pais e responsáveis e os próprios estudantes denunciem às Ouvidorias dos Núcleos Regionais de Educação (NREs) qualquer atividade ou conteúdo que considerarem indevidos.