ENTRETENIMENTO
22/06/2015 12:52 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:32 -02

Apple Music muda política de pagamento de artistas após reclamação de Taylor Swift

(Reuters) - A Apple reverteu sua política e anunciou que agora vai pagar aos artistas durante o período gratuito de testes de seu novo serviço de streaming de músicas, o Apple Music, após a estrela

Sascha Steinbach via Getty Images
COLOGNE, GERMANY - JUNE 19: Taylor Swift performs during 'The 1989 World Tour' night 1 at Lanxess Arena on June 19, 2015 in Cologne, Germany. (Photo by Sascha Steinbach/Getty Images for TAS)

A Apple reverteu sua política e anunciou que agora vai pagar aos artistas durante o período gratuito de testes de seu novo serviço de streaming musical, o Apple Music.

A mudança de postura da empresa aconteceu após Taylor Swift, 25, divulgar em uma carta aberta publicada em seu Tumblr neste domingo (21), que não vai disponibilizar seu álbum mais recente, "1989", no serviço.

Em um post chamado “A Apple, com amor, Taylor”, Swift chamou a atitude da Apple de não pagar artistas, compositores ou produtores de “chocante, desapontador, e completamente contrário a essa historicamente progressiva e generosa empresa".

Inicialmente, a Apple oferecia aos usuários o período de teste de três meses do novo serviço e havia dito que não pagaria aos artistas pelo uso de suas músicas durante esse período..

Isto não é sobre mim. Felizmente eu estou no meu quinto álbum, tenho minha equipe, minha banda que me apoia sempre. Isto e mais sobre o novo artista ou banda que acaba de lançar seu primeiro single e não será pago pelo sucesso que fizer. Trata-se do jovem compositor que finalizou seu álbum e não será pago pelos royalties. Isso é sobre o produtor que trabalha incansavelmente para inovar e criar, assim como os pioneiros da Apple em seu campo. Mas que não vai ser pago nem por um quarto do uso de suas músicas durante este período.

Pouco tempo após a divulgação da carta, o vice-presidente sênior da Apple, Eddy Cue, anunciou a mudança de postura da empresa no Twitter -- em resposta a Taylor:

("A AppleMusic vai pagar os artistas durante os três meses de teste do usuário")

("A Apple sempre vai garantir que os artistas sejam pagos")

("Nós ouvimos você, Taylor Swift e os artistas indies. Com amor, Apple")

E Taylor agradeceu:

("Estou contente e aliviada. Obrigada pelas palavras e apoio. Eles ouviram a gente", em tradução livre)

Essa não é a primeira vez...

A briga de Taylor com serviços de streaming não é nova. Em 2014, ela tomou a decisão de retirar todas as suas músicas do Spotify.

A divulgação de 1989, novo álbum da cantora, foi intensa. Ele chegou ao topo dos títulos mais reproduzidos no Spotify, foi ouvido por cerca de 16 milhões de usuários e entrou em mais de 19 milhões de playlists.

Sobre retirar suas músicas do serviço, ela disse a Yahoo Music: "não estou disposta a disponibilizar o meu trabalho a uma experiência que não compensa escritores, produtores, artistas e criadores desta música. Eu apenas não concordo com perpetuar a concepção de que a música não tem valor e deve ser livre".

Em julho de 2014, a artista de 25 anos escreveu um artigo para o Wall Street Journal criticando as mudanças na indústria musical e enfatizando que os artistas deveriam ter um controle maior sobre seu produto e o valor de sua música. "Individualmente, artistas e suas gravadoras poderão algum dia decidir o preço de seu álbum. Eu espero que eles não de subestimem ou desvalorizem sua arte", escreveu.

Qual é a da Apple Music?

A Apple domina o mercado de distribuição e compra de música pela internet com sua loja iTunes. Mas os consumidores optam cada vez mais pelo streaming e neste caso o peso pesado é a empresa sueca Spotify, com 60 milhões de usuários, incluindo 15 milhões que usam a versão paga.

O Apple Music estará disponível para os usuários de iPhones e iPads a partir de 30 de junho em 100 países. Nos próximos meses, a empresa pretende lançar uma versão compatível com o Android, o sistema operacional da rival Google.

A princípio, o serviço terá acesso gratuito, mas depois dos três meses de teste custará US$ 9,99 por mês, com um plano família de US$ 14,99 para até seis pessoas.

(Com Reuters e informações da AFP)

ATUALIZAÇÃO:

Após a polêmica, Taylor Swift afirmou em seu perfil no Twitter que irá colocar seu álbum "1989" na Apple Music, novo serviço de streaming musical da Apple.

("Após os eventos desta semana, decidi colocar o 1989 na Apple Music... e com prazer")

("Caso você esteja se perguntando se isso é algum acordo de exclusividade como você viu a Apple fazer com outros artistas, não é").

("Esta é simplesmente a primeira vez que me senti bem para transmitir o meu álbum. Obrigado, Apple, por sua mudança")

LEIA MAIS:

- De Dilma Rousseff a Taylor Swift: veja quem são as mais poderosas do mundo para a revista Forbes

- Ela arrasa! Taylor Swift fala sobre letras sentimentais, feminismo e misoginia