NOTÍCIAS
18/06/2015 18:08 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:32 -02

Senadores da oposição são hostilizados em Caracas por ativistas pró-Maduro

Montagem/Estadão Conteúdo

Uma comitiva de senadores brasileiros está ilhada na Venezuela. Eles viajaram à Caracas para encontrar com opositores ao governo de Nicolás Maduro e foram hostilizados.

Os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foram pressionados por parlamentares, principalmente do PSDB, para tomarem uma atitude.

Cunha ligou para o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira para saber o que tinha ocorrido. De acordo com o presidente da Casa, o ministrou contou que, ao chegar na Venezuela, a comitiva seguiu para uma penitenciária, a qual os integrantes do grupo encontrariam presos políticos, mas, no caminho, militantes tentaram agredir o ônibus.

Segundo Cunha, o ministro disse que o episódio provoca uma tensão e a delegação decidiu retornar ao aeroporto e ao Brasil, com proteção policial aumentada.

De acordo com a Folha de S.Paulo, partidários do governo vestidos de vermelho batiam no veículo gritando “Chavez não morreu, se multiplicou”.

Em nota, Calheiros condenou a ação dos ativistas pró-Maduro. "O presidente do Congresso Nacional repudia e abomina os acontecimentos narrados e vai cobrar uma reação altiva do governo brasileiro quanto aos gestos de intolerância narrados. As democracias verdadeiras não admitem conviver com manifestações incivilizadas e medievais. Eles precisam ser combatidos energicamente para que não se reproduzam”, ressalta.

Para o deputado Domingos Sávio (PSDB-MG) é preciso uma uma posição firme do governo brasileiro condenando essas atitudes. “Vão tentar atacá-los novamente quando chegarem ao presídio”, disse.

O grupo é composto pelos senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Aloysio Nunes (PSDB-SP), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), José Agripino (DEM-RN), Ronaldo Caiado (DEM-GO), Ricardo Ferraço (PMDB-SC), José Medeiros (PPS-MT) e Sérgio Petecão (PSD-AC).

Caiado relatou o episódio no Twitter: