NOTÍCIAS
17/06/2015 19:52 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:32 -02

Sob protestos, comissão aprova redução da maioridade penal

Filipe Araújo/Estadão Conteúdo

A comissão especial que analisa proposta de emenda à Constituição 171 de 1993 aprovou por 21 votos contra 6 a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos em crimes graves. Após anunciar o resultado, parlamentares pró-redução saíram do plenário, cantaram parte do Hino Nacional e de "Eu sou brasileiro" para os manifestantes que acompanharam as 4h30 de apreciação do texto no corredor.

“Eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor”, entoaram parlamentares, como Jair Bolsonaro (PP-RJ), Marco Feliciano (PSC-SP) e Delegado Waldir (PSDB-GO).

Enquanto os deputados se manifestavam, os jovens também gritavam palavras de ordem, como: “não, não, não a redução” e “fascistas não passarão”.

O tumulto só não se tornou uma enorme confusão, com agressões, porque os seguranças da Casa impediam o contato entre os políticos e os jovens.

A votação foi possível pela anuência do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Deputados contra a redução adotaram a estratégia de tentar protelar ao máximo as discussões para que a ordem do dia começasse e a votação fosse suspensa.

O presidente da Casa, por outro lado, não convocou a ordem do dia. A Câmara teve quórum por toda a tarde e geralmente ele a chama por volta de 17h. Mas a sessão foi postergada até as 19h30.

O dia do relato do texto aprovado, deputado Laerte Bessa (PR-DF), girou em torno de redigir um texto que fosse mais fácil de ser aprovado. Inicialmente, o deputado sugeriu a redução da maioridade penal para todos os crimes, mas a proposta final vale apenas para crimes considerados graves.

A vontade de Bessa, entretanto, era de que o texto fosse ainda mais rígido. Ele exemplificou com base na sua experiência de ex-delegado.

“Um homem de 16 anos é capaz de entender o que é certo e o que é errado. (…) A minha convicção não é só baixar de 18 para 16. Queria pegar mais um pouco, uma lasca desses menores bandidos, desses criminosos que estão agindo e estão impunes. Posso dizer de cadeira porque enfrentei 30 anos bandidos perigosos e grande parte deles eram menores. Sei o que eu passei na minha vida pessoal com esses bandidos.”

O deputado Delegado Edson Moreira (PTN-MG) corroborou o texto de Bessa. Segundo ele, a proposta defende o direito à vida. “Prefiro ver os jovens no fundo das cadeias aos cemitérios cheios de pessoas honestas e pagadoras de impostos”, emendou.

O deputado Alessandro Molon (PT-RJ) refuta a tese de que a impunidade e a violência vão diminuir.

"Vamos discutir o Estatuto da Criança e do Adolescente. Nós sabemos que o cumprimento do estatuto não depende só do governo federal. Todos estamos falhando, essa é uma posição honesta. Vamos discutir como aperfeiçoar o estatuto. Essa mudança na Constituição não resolve o problema, vai criar uma ilusão. É o remédio errado para o diagnóstico mal feito."

Molon acredita que a medida será barrada no Supremo Tribunal Federal. O texto está previsto para ser votado no plenário da Casa no próximo dia 30.

Confira a proposta aprovada:

Art. 1°. O art. 228. São penalmente inimputáveis os menores de 18 anos, sujeitos às normas da legislação especial, ressalvando os maiores de 16 anos nos casos de:

I - crimes previstos no art. 5°, inciso XLIII;

II - homicídio doloso;

III - lesão corporal grave;

IV - lesão corporal seguida de morte;

V - roubo com causa de aumento de pena.

Parágrafo único. Os maiores de dezesseis anos e menores de dezoito anos cumprirão a pena em estabelecimento separado dos maiores de 18 anos e dos menores inimputáveis.

Art. 2° A União, os Estados e o Distrito Federal criarão os estabelecimentos a que se refere o art. 1° desta Emenda à Constituição.

LEIA TAMBÉM:

- Diminuir a maioridade penal é a solução? Te damos 11 razões para provar que NÃO É

- Ministro diz que dar trabalho a jovens é melhor que reduzir maioridade penal

- Como reduzir a maioridade penal pode mudar outras leis e confundir a sociedade

- Menor infrator é negro, extremamente pobre e não frequenta escola, diz Ipea