NOTÍCIAS
16/06/2015 13:14 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:31 -02

Pesquisa do Ipea traça perfil de menor infrator: 66% vivem em famílias extremamente pobres e 60% são negros

www.jornalagora.com.br" data-caption="uma das pautas mais desafiadoras que já fiz.no jornal, elas estão coloridas e com outro recorte.matéria do fernando halal para o caderno geração agora de 09 de março, sobre redução da maioridade penal no brasil.www.jornalagora.com.br" data-credit="_titi/Flickr">

O menor infrator é negro, do sexo masculino, tem de 16 a 18 anos, não frequenta escola e vive na miséria. Esse é o perfil traçado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e divulgado nesta terça-feira (16).

Os dados reunidos sobre os adolescentes que estão cumprindo medida socioeducativa são os seguintes:

- 95% são do sexo masculino

- 66% vivem em famílias extremamente pobres

- 60% são negros

- 60% têm de 16 a 18 anos

- 51%não frequentavam escola na época do delito

As principais infrações cometidas pelos menores são roubo e tráfico de drogas. Menos de 10% cometem homicídios ou latrocínio, que é o roubo seguido de morte.

As infrações estão distribuídas assim:

- 40% deles respondem por roubo

- 23,5% por tráfico de drogas

- 8,75% por homicídio

- 5,6% por ameaça de morte

- 3% por tentativa de homicídio

- 3,4% por furto

- 2,3% por porte de arma de fogo

- 1,9%, latrocínio

- 1,1%, estupro

- 0,9%, lesão corporal

- 0,1%, sequestro

Em 2013, havia 23,1 mil privados de liberdade. No total, 64% estavam cumprindo medidas de internação — "a mais severa de todas", segundo o Ipea. "Isso indica que a aplicação das medidas não corresponde com a gravidade dos atos cometidos", afirmaram as pesquisadoras Enid Rocha e Raissa Menezes, do Ipea.

Os estados com mais adolescentes privados de liberdade são: São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco e Ceará.

A pesquisa foi lançada em meio ao debate sobre a redução da maioridade penal na Câmara dos Deputados.

A nota técnica baseada na pesquisa do Ipea está disponível aqui para consultas.