NOTÍCIAS
15/06/2015 18:29 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:31 -02

Banco do Brasil é condenado por práticas discriminatórias, assédio sexual e ameaça de gerente

Estadão Conteúdo/iStock

O Banco do Brasil foi condenado a pagar indenização de R$ 600 mil por danos morais coletivos. O banco foi acusado por casos de assédio moral e sexual dentro de suas agências.

Após receber a sentença do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região, o banco tentou reverter a pena na Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho, mas teve seu recurso negado.

O Ministério Público do Trabalho entrou com ação civil pública depois de receber denúncias sobre comportamentos abusivos de alguns gerentes do banco. Em Brasília, o MPT relatou condutas como retaliação a grevistas, isolamento de empregado portador de HIV e até interferência na licença-maternidade da empregada após o parto.

Já outro gerente no Espírito Santo chegou a dizer aos subordinados que tinha uma espingarda e que "não errava um tiro". Ele também teria dito que "estava com vontade de matar uma pessoa". Outro caso investigado é o de assédio sexual de uma funcionária de 22 anos, que passou a ir trabalhar acompanhada da mãe após sofrer assédio de seu superior.

Em sua defesa, o BB afirmou que não é omisso com denúncias de assédio moral em seu quadro de funcionários e que tais casos mencionados são "isolados e pontuais". Segundo o banco, o problema estaria em uma "falha de comunicação entre chefes e subordinados."

"O assédio moral nas empresas está muito disseminado em razão da falta de controle da condução de pessoas que estão em posição hierárquica superior e que, não sendo cobradas, acabam violando o direito de terceiros", afirmou o ministro Lelio Bentes, presidente da Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho. "Uma empresa de grande porte tem que manter o controle de seus funcionários, principalmente dos que exercem cargos diretivos."

Por decisão unânime, o TST condenou o BB a pagar R$ 600 mil ao FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador).

O Brasil Post procurou o banco, mas não houve resposta até o fechamento desta matéria.

LEIA TAMBÉM:

- Com demissões, juros altos e mais taxas, bancos têm lucros recordes em ano de crise