NOTÍCIAS
10/06/2015 11:14 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:31 -02

Vereadora de Dourados (MS) denuncia parlamentar por apalpada em sessão da Câmara

Montagem/Facebook e iStock

A vereadora Virgínia Magrini (PP) denunciou à polícia um colega de Câmara Municipal em Dourados (MS), a 235 km de Campo Grande, por uma apalpada que recebeu na última segunda-feira (8). O autor do assédio foi o vereador Maurício Lemes (PSB). O caso causou muita discussão na Casa, que agora deve investigar a conduta do parlamentar.

De acordo com a vereadora, tudo aconteceu durante o encerramento da sessão, quando houve uma entrega de uma moção a um homenageado. Enquanto os parlamentares se posicionavam para tirar fotos, Lemes teria apalpado as nádegas de Virgínia por três vezes. Na mesma hora, ela se virou e repreendeu o vereador e os demais, que estavam rindo da cena.

“Ele passou a mão em mim, não foi uma brincadeira, não foi só uma vez. Eu pedi para tomarem providências e o presidente falou que não ouviu. Foi quando eu virei e fui para cima dele (Lemes), nem sabia que era ele e fui para os que estavam atrás de mim, quando um colega falou que não tinha sido ele, e o Maurício assumiu, falando que era uma brincadeira, mas não aceito isso como brincadeira jamais, tocar nas minhas partes íntimas”, disse ela.

Segundo o site 94 FM Dourados, o presidente da Câmara, vereador Idenor Machado (DEM), foi informado pela vereadora do acontecido, que foi levado ao Conselho de Ética da Casa. Na terça-feira (9), Lemes admitiu que passou a mão da parlamentar e pediu desculpas. Em entrevista à TV Morena, afiliada da Rede Globo no Mato Grosso do Sul, Lemes afirmou que foi “uma brincadeira de mau gosto” e que “vai assumir o que fez”.

Ao site Oeste Online, o vereador deu mais explicações. “Foi uma brincadeira infeliz, e que fique bem claro sem conotação sexual nenhuma, uma brincadeira que não deu certo, longe da região glútea como ela está falando e sim um cutucão nas costas”, comentou.

O autor do assédio foi suspenso preventivamente por 15 dias, sem direito a receber salário por esse período, segundo informações do site Campo Grande News. Ainda não foi decidido se ele vai responder a um processo por quebra de decoro parlamentar, o que pode lhe custar o mandato de vereador. Por enquanto, para o presidente da Câmara, o caso se trata de um “problema pessoal entre parlamentares”.

Virgínia denunciou o caso à Delegacia da Mulher de Dourados, que vai investigar a ocorrência. Nas redes sociais, ela afirmou que “se sentiu um lixo” com a atitude do vereador e agradeceu os apoios que recebeu de outros colegas de Câmara.

Sobre o episódio acontecido na Câmara de vereadores na última segunda feira, Quero agradecer aos vereadores que me...

Posted by Virginia Magrini on Quarta, 10 de junho de 2015

“Eu não podia deixar isso para lá e se fazer de que ‘não foi comigo’. Desde ontem estou sem dormir e sem comer com tudo isso. Não é porque sou uma mulher divorciada que homens que sejam autoridades ou não possam se aproveitar de momentos que não podemos nos defender”, desabafou Virgínia, ainda na delegacia, visivelmente emocionada.

O caso foi registrado pela polícia como importunação ofensiva ao pudor, crime punível apenas com multa, de acordo com a Lei das Contravenções Penais.

LEIA TAMBÉM

- Lady Gaga se une à luta para combater agressão sexual em universidades dos EUA

- Alunos da PUC de Sorocaba usam WhatsApp para fazer apologia ao estupro

- Em Moçambique e na Zambia, meninas de oito anos são 'ensinadas' a satisfazer um homem na cama

- Madonna não denunciou seu estupro pelo mesmo motivo de tantas outras vítimas

- Jair Bolsonaro chama de ‘birra' ação de Maria do Rosário no STF