NOTÍCIAS
03/06/2015 12:25 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:19 -02

Autoridades temem ter resgatado últimos sobreviventes de naufrágio na China ontem; esperanças vão diminuindo, mas resgate segue

Reuters

As equipes de resgate prosseguiam nesta quarta-feira (3) com as buscas aos passageiros do cruzeiro que naufragou no rio Yang Tsé, região central da China, com mais de 450 pessoas a bordo, mas as esperanças de encontrar sobreviventes são mínimas, informa a rede BBC. Mais de 35 horas depois da tragédia, o balanço de vítimas permanece em dezoito mortos, alguns deles encontrados a 50 quilômetros do local do acidente, e catorze sobreviventes resgatados. Nesta terça (2), as equipes de resgate cortaram o casco da embarcação e resgataram três pessoas, segundo a agência oficial Xinhua. Autoridades temem que eles sejam os últimos a serem resgatados ainda com vida.

A busca de corpos será ampliada até a cidade de Wuhan, 220 km ao sul do local do naufrágio, anunciaram as autoridades. Na área onde a embarcação afundou, sob uma forte chuva, as equipes de resgate, com o apoio de 100 mergulhadores, trabalham no casco do Estrela do Oriente, que está a 15 metros de profundidade. As autoridades diminuíram a intensidade das turbinas da famosa represa das Três Gargantas, situada em uma região acima do Yang Tsé, o maior rio da Ásia, com 6.300 km, para facilitar as operações de resgate. "Espero um milagre", declarou na cidade de Chongqing o filho de um homem que trabalhava há 10 anos no cruzeiro.

O navio afundou em menos de dois minutos na segunda-feira (1º) à noite, depois de ser atingido por uma tempestade. No total, 456 pessoas estavam a bordo, segundo um número atualizado que inclui os passageiros e os integrantes da tripulação. À espera dos resultados da investigação, o ministério dos Transportes informou que o navio, com capacidade total para 534 pessoas, não estava sobrecarregado. Pouco antes do acidente "a chuva atingiu o lado direito do navio e entrou em várias cabines", afirmou Zhang Hui, um dos sobreviventes. O capitão e o engenheiro chefe do cruzeiro, que foram resgatados, afirmaram que o navio foi atingido por um "tornado". Os dois foram detidos para prestarem depoimento às autoridades que investigam o acidente.

Nas redes sociais, os internautas questionam se os dois homens não teriam abandonado a embarcação e os passageiros. O navio viajava entre duas antigas capitais chinesas, Nankin no leste, e Chongqing, no centro. No hospital da cidade vizinha de Jinali, as famílias das vítimas tentavam obter notícias dos parentes. "Enquanto existir esperança, vamos dar 100%, sem abandonar o local", afirmou o ministro dos Transportes, Yang Chuantang.