NOTÍCIAS
02/06/2015 20:59 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:19 -02

Um papo com o cirurgião que fará o primeiro transplante de cabeça em humanos

Reprodução/Youtube

Sergio Canavero, um neurocirurgião italiano, usa uma banana para explicar a cirurgia mais complicada. Durante uma palestra TEDx na Itália no começo deste mês, o homem que quer fazer o primeiro transplante de cabeça em um ser humano esmaga uma banana em seu punho. Ela vira mingau – difícil de se juntar de novo. Mas se você corta a banana no meio com uma faca afiada, ele explica, não tem bronca. Não é tanto dano assim.

Essencialmente é isso que ele quer fazer com o pescoço de um homem. A longo prazo, é o que ele quer fazer com seu pescoço. Ele chama isso de protocolo “Gêmeos” de fusão da medula espinhal, que será utilizado para desempenhar uma anastomose cefalosomática, “a transferência cirúrgica de uma cabeça saudável para um corpo decapitado cirurgicamente sob condições hipotérmicas profundas”, explicou em um artigo publicado em fevereiro.

Talvez o mais complicado de entrar na cabeça das pessoas seja o fato de que Canavero vê o transplante de cabeça anunciado apenas como o início. O objetivo não é só salvar as vidas de pessoas que sofrem com doenças musculares incuráveis. Seu objetivo é, eventualmente, permitir que você tenha um corpo clonado do seu e possa então usá-lo para se manter fisicamente jovem para sempre, ao fazer transplantes recorrentes para outros corpos cultivados a partir do seu próprio material genético (como você manterá seu cérebro – e rosto – jovem durante todo o processo é uma pergunta sem resposta).

Mas deixemos isso de lado por enquanto. Eis o plano para a primeira cirurgia: pegar duas pessoas (uma com a cabeça viva e um corpo deficiente, a outra com morte cerebral e um corpo saudável), cortar suas cabeças ao mesmo tempo, colocar a cabeça saudável no corpo saudável, e colar tudo como uma substância chamada polietilenoglicol, então esperar.

[Continue lendo aqui]

LEIA MAIS:

- Truvada: O medicamente que pode revolucionar a história da aids e está causando processos contra o SUS

- As mulheres de Uganda que não conseguem usar banheiros sem temer doenças e estupro