NOTÍCIAS
02/06/2015 18:20 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:19 -02

Blatter também é investigado por FBI, diz ABC News

Reuters

Poucas horas após Joseph Blatter anunciar que irá deixar o cargo de presidente da Fifa e convocar novas eleições, fontes afirmam que ele já é investigado pelo FBI e pela Procuradoria Geral dos Estados Unidos, junto com outros 14 indiciados, informou a ABC News.

Blatter é o oitavo presidente da entidade máxima do futebol mundial e na última sexta-feira (29) conquistou seu quinto mandato seguido nas eleições que ocorreram durante o Congresso da Fifa, após desistência de seu único concorrente, o príncipe jordaniano Ali Bin Al-Hussein.

O presidente reeleito não foi formalmente indiciado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos e disse que seguirá no cargo até que novas eleições sejam realizadas. A data para escolha do novo chefe da Fifa ainda não foi definida.

O FBI se recusou a comentar o caso pois Blatter não foi publicamente identificado como alvo das investigações. Fontes da ABC News afirmaram que os federais estão conduzindo o caso Fifa da mesma forma pela qual lidariam com casos de extorsão em Nova York.

"Agora as pessoas vão tentar se salvar, provavelmente há uma corrida para ver quem irá sacudir Blatter primeiro", afirmou a fonte da ABC, explicando que os federais normalmente tentam convencer funcionários a delatarem seus superiores.

"Nós podemos não ser capazes de desmoronar toda a organização, mas talvez não seja necessário", afirmou a fonte.

Em uma nota divulgada nesta tarde, a Fifa afirmou que "a câmara de investigação do Comitê de Ética tomou conhecimento do anúncio de que o presidente da Fifa irá renunciar . A câmara vai continuar seu mandato junto com a câmara adjunta do Comitê de Ética para garantir a observância consistente do Código de Ética da Fifa e fará disso a sua maior prioridade, independente de quem seja o presidente".

LEIA MAIS:

- 'Renúncia do Blatter reforça necessidade de investigação', diz Renan

- Geopolítica da FIFA

- Romário comemora renúncia de Blatter: 'Melhor notícia dos últimos tempos'