NOTÍCIAS
01/06/2015 17:02 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:19 -02

Ministério Público Federal vai cooperar com a CPI do Futebol

Montagem/Agência Brasil/Agência Senado

ACPI do Futebol, criada para investigar irregularidades na Confederação Brasileira de Futebol (CBF), ganhou mais um aliado. De acordo com o senador Romário (PSB-RJ), o procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, disse que vai cooperar com a CPI. O procurador, número 1 do Ministério Público Federal, ganhou as páginas dos jornais recentemente com a atuação na Operação Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção na Petrobras.

“Janot está alinhado em pensamento com o que propõe a CPI do Futebol, que é a hora de fazer uma limpeza, de moralizar o esporte. Por isso, ele colocou o órgão à inteira disposição da comissão de inquérito.”

O procurador se reuniu nesta segunda-feira (1º) com o senador. De acordo com Romário, na conversa, Janot foi informado de fatos que não tinha conhecimento. No próximo dia 15, os integrantes da comissão se reunião com Ministério Público, a Polícia Federal, a Procuradoria Geral da República e o Ministério da Justiça para troca de informações.

O colegiado tem como principal alvo o ex-presidente da CBFJosé Maria Marin, preso junto com outros seis dirigentes da Fifa, na última quarta-feira (27). Eles são suspeitos de participar de um esquema de corrupção para escolha das sedes das próximas Copas, com pagamentos de propinas estimados em US$ 100 milhões (R$ 318 milhões).

Também há indicativos de corrupção envolvendo diretamente o Brasil. De acordo com a Justiça americana, responsável pelas prisões, parte das propinas pagas aos dirigentes estavam relacionadas com a organização da Copa do Brasil, Taça Libertadores da América e mesmo da Copa América.

O ex-presidente da CBF também é investigado por "conspiração". Além dele, há outro brasileiro envolvido no esquema, o fundador da Traffic Group, José Hawilla. Ele é responsável pelos direitos de transmissão de eventos da Fifa. Hawilla já adimitiu culpa e concordou em devolver US$ 151 milhões.