NOTÍCIAS
28/05/2015 17:58 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:13 -02

'Ninguém vai fazer uma Louis Vuitton na Câmara', diz Cunha sobre parlashopping

Montagem/Estadão Conteúdo

O Senado reclamou de receber a MP que aumenta o imposto de produtos importados cheia de novos artigos incluídos na comissão especial, conhecidos como jabutis, e mirou no shopping dos deputados. Teve senador que considerou a emenda que permite a parceria público-privada para construção do parlashopping um absurdo e que pediu o veto da presidente.

Ao receber as críticas, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que não tem shopping nenhum. "O que está sendo discutido aqui é o anexo IV, que, além de precisar de obras, de instalações elétricas, de instalações hidráulicas, tem que ter uma reforma de qualquer maneira, de manutenção, Tem gabinetes ali e áreas que precisam de novos plenários." O peemedebista prometeu a reforma do anexo IV e a criação da área comercial na sua campanha para o cargo que ocupa.

"Se a gente puder fazer de graça, sem a Câmara gastar um centavo, melhor. Qual é a fórmula que se pensou, se votou uma Proposta de Manifestação de Interesse, ninguém vai fazer shopping aqui na Câmara, isso é uma palhaçada, quem coloca isso está faltando com a verdade. (…) Ninguém vai fazer uma loja Louis Vuitton na Câmara. Isso não existe. É palhaçada quem coloca isso. É maldade quem faz isso.

Segundo Cunha, a área destinada a exploração comercial poderá servir para construção de torre de escritório, hotel. "Ninguém disse que vai ter proposta de shopping center na Câmara”, reiterou.

No Senado, a emenda da PPP causou desconforto. O senador Jader Barbalho (PMDB-PA) considerou a ideia um absurdo.

"Isso é um abuso que depõem contra a classe política, essa história de construir shopping, em medida provisória. Só vai faltar qualquer dia desses, nós recebermos aqui uma medida provisória que acrescenta a construção de um motel, é um absurdo isto."

Já Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) espera que a presidente Dilma Rousseff vete a proposta. "Este escárnio do parlashopping, de R$ 1 bilhão, quero acreditar que será vetado pela presidente da República”, emendou.

Cheia de emendas, a medida provisória foi chamada de árvore de natal e frankenstein. A chiadeira fez com que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) decidisse alterar o modelo de tramitação dessas propostas. Ele quer separar os assuntos que não fazem parte do “espírito" da medida para serem votados em separado.

LEIA TAMBÉM:

- 'Não existe essa história de shopping na Câmara. É pura maldade dos adversários'

- ‘Contrabando para aprovar o parlashopping é um atentado', diz líder do PPS

- Cunha dá canetada e aprova shopping dos deputados