NOTÍCIAS
28/05/2015 15:29 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:13 -02

Doação empresarial: saiba quem são os deputados que mudaram de posição em menos de 24 horas

Montagem/Estadão Conteúdo

A decisão da Câmara dos Deputados de incluir o financiamento privado de campanha na Constituição surpreendeu. De um dia para o outro, o número de deputados que concordava com uma proposta semelhante passou de 264 para 330. A primeira proposta previa a doação empresarial para candidato e partido. A aprovada permite só para a legenda e ela fica responsável por dividir entre os candidatos.

Saiba quem mudou de ideia em 24 horas

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), colocou o financiamento privado com possibilidade de a empresa doar diretamente para o candidato e para o partido na pauta da reforma política de terça-feira. Rejeitada, a proposta, que é uma das principais bandeiras do deputado, voltou para a pauta de novo, em forma de emenda aglutinativa apresentada pelo deputado Celso Russomano (SP), líder do bloco do PRB.

Os votos do grupo liderado por Russomano ajudaram a fazer a diferença. Dos 20 deputados do PRB, 18 votaram contra o financiamento privado na terça-feira e mudaram de ideia na quarta-feira. Das traições do PMDB, que somaram 13 votos, 10 foram revertidas e quase todos os integrantes do partido votaram pela proposta de Cunha. Ao todo, 71 parlamentares mudaram de opinião.

Nos bastidores, a informação é que o presidente da Casa manobrou, fez acordo com o grupo do PRB para conquistar os votos que estavam faltando e colocou o financiamento de novo na pauta.

O líder do PSD, Rogério Rosso (DF), entretanto, nega a negociata. Segundo ele, não teve nenhuma articulação para colocar o financiamento para ser votado mais uma vez. Ele diz que na terça-feira, liberou a bancada porque o presidente da Casa tinha dito que primeiro votariam o financiamento privado para os partidos e candidatos e depois só para os partidos.